Sétima rodada de pesquisa para mapear a Covid-19 ocorre neste final de semana

Sétima rodada de pesquisa para mapear a Covid-19 ocorre neste final de semana

Em Porto Alegre, o estudo é realizado por 17 equipes

Por
Correio do Povo

Estudo abrange 4,5 mil pessoas pesquisadas


publicidade

A sétima rodada de testes rápidos e entrevistas que busca estimar o número de pessoas que já contraíram o novo coronavírus acontece neste sábado, domingo e segunda-feira no Rio Grande do Sul. O estudo, encomendado pelo Governo do Estado, é conduzido pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel) e abrange 4,5 mil pessoas pesquisadas. O objetivo é mapear os casos da doença e acompanhar a velocidade de disseminação do contágio entre os gaúchos. Os dados mais recentes do Epicovid19-RS revelaram  que a proporção de pessoas com anticorpos para o novo coronavírus dobrou no intervalo de um mês. 

Em Porto Alegre, o estudo é realizado por 17 equipes, sempre com duplas de pesquisadores, que percorrem domicílios em 50 setores estabelecidos conforme o IBGE, em todas as regiões da cidade. No entanto, o trabalho, iniciado ainda na sexta-feira, encerra no domingo. Integrante da comissão organizadora local, a professora Helena Schirmer, coordenadora do Curso de Biomedicina da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA), explicou que o aumento dos casos da Covid-19 no RS fez com o que intervalo entre uma rodada e outra fosse reduzido.

“Como na rodada anterior tivemos um número de maior de casos positivos para anticorpos, a sétima foi antecipada”, esclareceu. “Normalmente se divulga o resultado na quarta-feira”, observou. “Na rodada passada, Porto Alegre foi a cidade com maior número de testes positivos”, recordou. 

A professora Helena Schirmer destacou que a metodologia da pesquisa permanece a mesma e o uso dos equipamentos e trajes de proteção foi adotado desde a primeira rodada no início da pandemia. “O trabalho é igual. Começamos com todos os cuidados necessários”, ressaltou. “Não tivemos nenhum caso de infecção ou contágio de entrevistador quando estava em campo”, frisou.

As equipes são formadas por voluntários estudantes da área da saúde de diversos cursos de instituições universitárias, sobretudo alunos da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA). Em algumas situações, agentes comunitários de saúde prestam apoio nas visitas. Todos os casos positivos, cujos resultados saem em torno de 15 minutos no próprio domicílio, são encaminhados para a área da saúde do município. A reportagem do Correio do Povo acompanhou uma das equipes que esteve na manhã deste sábado no bairro Jardim Carvalho.