Saúde envia detalhes sobre autotestes de Covid-19 à Anvisa

Saúde envia detalhes sobre autotestes de Covid-19 à Anvisa

Agência vai deliberar sobre a autorização dos autotestes com base nas informações detalhadas pelo Ministério da Saúde

R7

Anvisa vai analisar a nova nota técnica do Ministério da Saúde com informações sobre os autotestes

publicidade

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) vai analisar a nova nota técnica do Ministério da Saúde com informações detalhadas sobre os autotestes de Covid-19. A agência informou que a pasta enviou as informações nos últimos minutos desta terça-feira (25), às 23h11min. O documento deve embasar a possibilidade de autorização dos produtos no país.

A decisão sobre a comercialização dos exames havia sido adiada na semana passada por falta de dados. Faltava ao Ministério da Saúde detalhar como os produtos seriam usados por pacientes leigos, e como os resultados dos exames seriam notificados à Rede Nacional de Dados em Saúde do governo federal.

“A agência irá analisar e ajustar a proposta ao texto da resolução já previamente feito, submeter a procuradoria e deliberar. Mas não há prazo. Será o menor e melhor tempo possível”, esclareceu a Anvisa.

Veja Também

A dificuldade central na aprovação do tema está nos detalhes sobre o funcionamento do exame. Diferentemente do solicitado inicialmente pela agência, a autotestagem não deve configurar uma política pública. Isso porque o governo não pretende oferecer os exames gratuitamente.

No entanto, de acordo com a RDC (Resolução da Diretoria Colegiada) 36/2015 da Anvisa, é proibida a realização de autotestes em caso de doenças infectocontagiosas cujas notificações são compulsórias, como é o caso da Covid. A exceção é quando o Ministério da Saúde propõe uma política pública para basear a inclusão.

Com o envio do novo documento, a expectativa é que a agência volte a discutir o tema, mas ainda sem data para a deliberação. Na semana passada, representantes da Anvisa e do Ministério da Saúde se reuniram para alinhar os detalhes da regulação da autotestagem.

O ministério defende a autotestagem como estratégia complementar para ampliar o diagnóstico da Covid-19 no Brasil. A medida pretende auxiliar nas políticas de controle, sobretudo diante do aumento de transmissão em razão da variante ômicron.

Em alguns países que já usam o autoteste para Covid-19, o material é vendido em farmácias. Em outros, é distribuído gratuitamente ou enviado à casa das pessoas. O modelo que pode ser usado no Brasil ainda não foi definido.


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895