Santa Maria tem comoção após júri que condenou quatro réus pelo incêndio na Boate Kiss

Santa Maria tem comoção após júri que condenou quatro réus pelo incêndio na Boate Kiss

Familiares e amigos acompanharam sentença por telão instalado no centro da cidade

Correio do Povo

Comoção tomou conta da cidade de Santa Maria após a leitura da sentença

publicidade

* Com informações de Renato Oliveira

A comoção foi grande em Santa Maria, com o anúncio da condenação dos quatro réus do incêndio da Boate Kiss, em 27 de janeiro de 2013. Na tarde desta sexta-feira, depois de 10 dias de julgamento, a sentença foi proferida no Foro Central de Porto Alegre. No centro da cidade, onde familiares, amigos e cidadãos de Santa Maria acompanharam os minutos finais do Tribunal do Júri foram ouvidos muitos aplausos, choro e orações. Havia um telão para que todos pudessem acompanhar o julgamento.

A mãe de uma das 242 vítimas da tragédia da Boate Kiss, Jaci Maravilha Chaves Soares, de 65 anos, declarou que, enfim, a Justiça foi feita. "Ele foi se divertir e não retornou mais. Hoje, sofro com a perda e fiquei com problemas de saúde", lamentou. A demora para a realização do Júri aumentou a angústia das famílias. Foram quase nove anos desde a tragédia até o plenário. "O julgamento demorou, mas agora ameniza. A dor da saudade continua", desabafou. 

O segurança Francisco de Assis Pereira Félix, de 63 anos, trabalhava na madrugada da tragédia e conseguiu ajudar a salvar várias pessoas. Ele considerou a decisão correta. "Eles precisavam ser responsabilizados. Foi feita a Justiça", avaliou. 

As sentenças, proferidas pelo juiz Orlando Faccini Neto, condenaram Elissandro Callegaro Spohr, o Kiko, a 22 anos e 6 meses; Mauro Hoffmann a 19 anos e 6 meses; e os músicos Marcelo de Jesus dos Santos e Luciano Bonilha Leão a 18 anos. 

A decisão foi proferida pelo juiz por volta das 18h. De acordo com o magistrado, o regime inicial será fechado. Porém, em razão do habeas corpus preventivo concedido pelo Tribunal de Justiça do Estado foi suspensa a prisão imediata dos acusados nesta sexta-feira.

Ao longo da leitura da sentença, o juiz também citou um trecho do livro sobre a tragédia de Daniela Arbex. "Todos os réus terão tempo de cultivar as suas famílias nesta trajetória. Nada disso caberá às vítimas. As consequências são gravissimas para a comunidade de Santa Maria e os familiares. Vejam que mesmo no plenário, em diversas referencias, muitas vítimas após terem conseguido no local, voltaram em um ato heroico", disse. 

Em Porto Alegre, os familiares que acompanharam o julgamento desde o início também se manifestaram após a condenação dos quatro réus. Do lado de fora do Foro Central de Porto Alegre, onde o julgamento ocorre desde 1º de dezembro, pessoas relataram sentimento de justiça pela tragédia e satisfação com as penas imputadas. 


Mais Lidas





Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895