Sinduscon debate a revisão do Plano Diretor em Porto Alegre

Sinduscon debate a revisão do Plano Diretor em Porto Alegre

Para o presidente Aquiles Dal Molin, o encontro virtual serviu para mostrar a ótica dos associados sobre o que poderia ser alterado

Christian Bueller

Live do Sinduscon debateu a revisão do Plano Diretor em Porto Alegre com a participação do secretário Germano Bremm e convidados

publicidade

O Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado do Rio Grande do Sul (Sinduscon-RS) realizou a live "Plano Diretor: ajustes pontuais para impulsionar o desenvolvimento de Porto Alegre”. Para o presidente da entidade, Aquiles Dal Molin, o encontro virtual serviu para mostrar a ótica dos associados sobre o que poderia ser alterado no Plano Diretor, na busca de um melhor desenvolvimento para Porto Alegre.

“Sabemos que há um custo de infraestrutura na implantação das cidades. Ao longo do tempo, o retorno dos investimentos vem com os impostos advindos das construções, como IPTU, ISS e, nas vendas, o ITBI”, lembrou.

Segundo Dal Molin, a Capital gaúcha aproveita pouco esse potencial construtivo em relação a outras cidades. “Por exemplo, Curitiba tem um retorno três vezes maior do que Porto Alegre, o que traduz na qualidade de vida”, afirmou. O presidente do Sinduscon-RS ressaltou que as alterações da lei devem se adequar aos costumes do “novo social”. “Há indícios de modificações nos comportamentos da sociedade com a pandemia”, complementou.

O secretário do Meio Ambiente e da Sustentabilidade (Smams) de Porto Alegre, Germano Bremm, saudou a importância da construção civil na retomada das atividades econômicas da cidade. Por meio de slides, apresentou o projeto aos representantes da categoria.

“São as diretrizes, questões legais que conseguimos avançar e o que ainda precisamos avançar”, esclareceu. Entre as alterações recentes, as leis do Solo Criado e do Inventário do Patrimônio Cultural de Bens e Imóveis do Município.

Bremm também expôs a transformação digital de todo o licenciamento urbanístico e ambiental do município. A fase 1, atual, que segue até 2022, prevê o desenvolvimento de um protótipo de plataforma de planejamento, além de um plano econômico e, outro, de ação climática. A fase 2 da revisão deverá ocorrer em paralelo, por conta pandemia, a partir de fevereiro de 2021, com a análise de propostas e o diagnóstico.

A diretora geral de Planejamento Urbano Sustentável da Smams, Patrícia Tschoepke, garantiu que sua equipe “trabalhou incansavelmente para fazer este projeto acontecer” durante a pandemia. “Os prazos foram revistos, mas é um projeto amplo de planejamento urbano, além do Plano Diretor”, explicou.

A live também contou com o CEO da Melnick, Juliano Melnick, o arquiteto e urbanista, consultor e integrante da Comissão da Indústria Imobiliária do Sinduscon-RS e diretor da Arquitetura Zago, Antônio Zago, e a arquiteta e urbanista, integrante da Comissão da Indústria Imobiliária do Sinduscon-RS e gerente de Incorporações da Rotta Ely, Lisandra de Lucena Theil.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895