Trabalhadores começam a reabrir postos de Saúde em Porto Alegre

Trabalhadores começam a reabrir postos de Saúde em Porto Alegre

Pelo menos duas Unidades Básicas de Saúde estão fechada e duas têm atendimento restrito

Samantha Klein

Trabalhadores participaram de audiência pública na Câmara de Vereadores. Secretário Pablo Stümer prometeu negociação em caso de retorno dos profissionais aos postos de Saúde

publicidade

Após uma segunda-feira de protestos em frente à Câmara de Vereadores e críticas do prefeito a funcionários, trabalhadores do Instituto Municipal de Estratégia da Saúde da Família (Imesf) começaram a retornar ao trabalho. Ontem, eram 67 unidades básicas de saúde fechadas em Porto Alegre. 

Nesta terça-feira, de acordo com a Secretaria Municipal da Saúde, somente a Unidade de Saúde Beco dos Coqueiros, localizada no bairro Passo das Pedras, e a Unidade de Saúde Recreio da Divisa, na Lomba do Pinheiro, estão fechadas. Além disso, as Unidades de Saúde Batista Flores e Campos do Cristal estão com atendimento restrito.

A orientação do Sindisaúde é para que todos voltem às atividades normais, já que o secretário da Saúde prometeu iniciar negociação com os funcionários ameaçados de demissão a partir da reabertura dos postos. "Ontem mesmo as pessoas começaram a voltar ao trabalho e agora esperamos que o secretário Pablo Stürmer cumpra com sua palavra", diz o secretário-geral da entidade, Júlio Jesien.

Conforme o sindicalista, existem possibilidades para que os profissionais sejam reinseridos em uma empresa que seja futuramente contratada para substituir o Imesf. "Conversamos com professores de Saúde Pública e eles mostraram que existem alternativas para abrigar os trabalhadores em uma nova empresa pública que venha a ser contratada para realizar o gerenciamento da Estratégia da Saúde da Família no município". 

Ao contrário das acusações do prefeito Nelson Marchezan Júnior, os sindicatos não orientam a paralisação, segundo Carlos Pielsen, integrante da Comissão do Empregados Públicos do Imesf. "Esse foi um movimento natural. Além disso, nunca se imaginou que a extinção do Instituto fosse ocorrer dessa forma".

De forma emergencial, a prefeitura de Porto Alegre convocou, em edição extra do Diário Oficial desta segunda-feira, 235 profissionais do Instituto Municipal de Estratégia de Saúde da Família (Imesf). Conforme o Paço Municipal, a medida foi necessária diante da desassistência causada à população em função do abandono dos postos de trabalho após decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) contra a criação da entidade.

"Essa lista da Prefeitura está superfaturada. Estão incluídas pessoas em férias e licença-maternidade", complementa Pielsen. Até o fechamento da reportagem, a equipe de Atenção Primaria da Secretaria da Saúde ainda realizava o levantamento do número de postos que foram reabertos. 

Demissões em massa

O prefeito Nelson Marchezan Júnior anunciou, na semana passada, que o Instituto Municipal de Estratégia da Saúde da Família (Imesf) será extinto. Isso porque o Supremo Tribunal Federal (STF) decisou que o Imesf é inconstitucional. Dessa forma, cerca de 1,8 mil pessoas serão demitidas nos próximos meses.

A Prefeitura pretende ter um plano emergencial para suprir a Estratégia da Saúde da Família no Município, considerando que o Imesf é responsável pelo gerenciamento de 77 dos 140 postos de Saúde de Porto Alegre.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895