Trabalhadores da saúde encerram atos contra demissões no Imesf

Trabalhadores da saúde encerram atos contra demissões no Imesf

Decisão foi tomada pelo comando do movimento após liminar que prorrogou a manutenção dos contratos de trabalho

Gabriel Guedes

Trabalhadores da saúde encerram atos contra demissões no Imesf

publicidade

Os atos de apoio aos trabalhadores demitidos do Instituto Municipal de Estratégia de Saúde da Família (Imesf), que estavam programados para seguirem nesta sexta-feira, não ocorreram. Decisão foi tomada pelo comando do movimento, que após conquistar na noite dessa quinta uma liminar prorrogando a manutenção dos contratos de trabalho, achou adequado o retorno às unidades de saúde dos trabalhadores que participaram das manifestações nesta semana. Caso seguisse o impasse na Justiça, era para ter continuado a mobilização em frente ao Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (TRT4), culminando com uma caminhada até o Paço Municipal.

“Nós tínhamos um recurso no TRT parado há mais de 15 dias, somado à questão da emissão dos avisos, não nos restou outra opção senão convocar uma greve entre os trabalhadores. Com a liminar favorável aos trabalhadores, não tinha o porquê nós permanecermos nas ruas e deixando de dar atenção às comunidades. Toda vez que uma unidade (de saúde) fica fechada, existe um prejuízo muito grande à comunidade. Os sindicatos entenderam por bem orientar os trabalhadores a retornarem a seus postos no dia de hoje (sexta-feira)”, explicou o presidente do Sindisaúde, Júlio Jesien.

Em liminar concedida pelo TRT4 ao Sindisaúde, Sergs, Soergs, Ministério Público Federal (MPF) e Ministério Público do RS (MPRS), a desembargadora Maria Madalena Telesca determinou que o prefeito Nelson Marchezan Júnior não pode demitir os trabalhadores do Instituto Municipal de Estratégia de Saúde da Família (Imesf) até 4 de dezembro. Além disso, fica determinado que quem quiser sair deve receber as rescisórias na forma da lei.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895