Trump perde a calma após divulgação de pesquisas desfavoráveis
capa

Trump perde a calma após divulgação de pesquisas desfavoráveis

Segundo pesquisas, Biden está na frente do presidente norte-americano, com mais de 40% do apoio da população

Por
AFP

"PESQUISAS FALSAS", acusou Trump, no Twitter


publicidade

Donald Trump tentará retomar sua campanha eleitoral na próxima semana, no Arizona, e no fim de semana, com uma aparição na TV, no momento em que duas pesquisas apontam que ele poderá perder as eleições presidenciais para Joe Biden, em novembro. Com o confinamento devido ao novo coronavírus, Trump está há semanas sem sair da Casa Branca e começa a se mostrar cada vez mais frustrado por perder o controle de uma campanha que se mostrava promissora. 

No próximo domingo, ele iniciará a retomada com uma entrevista à rede de TV conservadora Fox News no Memorial a Lincoln, localizado a poucos passos da Casa Branca. Na terça-feira, Trump deverá viajar a Phoenix, Arizona, onde visitará uma fábrica de material médico. Depois, seguirá para Ohio.

A mudança de ares pode dar a Trump a oportunidade de mudar sua narrativa sobre a condução da crise do novo coronavírus, que já matou mais de 61 mil pessoas nos Estados Unidos. A seis meses das eleições, sua política para enfrentar a pandemia gera uma desaprovação crescente.

Depois de uma entrevista coletiva desastrosa na semana passada, em que Trump citou a possibilidade de injetar desinfetante em pacientes infectados pelo coronavírus, a Casa Branca se volta para uma retórica mais positiva, falando em reabrir a economia.

As pesquisas mostram que a campanha de Trump passa por um momento complicado, não só porque ele não consegue impulsionar o patriotismo que pode surgir de uma crise, mas também por ele estar afundando frente ao rival, que ridiculariza.

Segundo o compilado de pesquisas The Real Clear Politics, Biden conta com 48,3% de apoio, frente a 42% para Trump. Cifras do portal FiveThirtyEight apontam que Trump conta com 42,9% de apoio, frente a 45,8% três semanas atrás.

"PESQUISAS FALSAS, que nem em 2016 (mas pior)!", tuitou Trump em uma manhã de atividade intensa na rede social, em que atacou a imprensa, os democratas e todos aqueles que acredita que conspiraram para afundar sua presidência com investigações sobre suas ligações com a Rússia.

A rede de TV CNN e outros veículos informaram que Trump gritou com seu diretor de campanha, Brad Parscale, e com outras autoridades nos últimos telefonemas, o que ele negou. A secretária de comunicação de Trump, Kayleigh McEnany, desmentiu qualquer tipo de discórdia entre a equipe.

Apesar de Trump ter exercido seu poder fabricando uma divisão e alimentando polêmicas de forma nunca vista, o magnata republicano espera que uma recuperação econômica lhe garanta o segundo mandato.


Para o presidente americano, o terceiro trimestre será uma "transição", e no quarto haverá cifras muito sólidas. No próximo ano, sentenciou que os números "serão espetaculares".