Vendas no comércio sinalizam para retomada gradual da atividade econômica em Porto Alegre

Vendas no comércio sinalizam para retomada gradual da atividade econômica em Porto Alegre

Dados apontam que o desempenho varia de 55% a 60% em relação ao mesmo período do ano passado

Por
Felipe Samuel

publicidade

Proprietário de uma loja de vestuário feminino, com unidades em dois shoppings de Porto Alegre, Carlos Klein, afirmou que as vendas nos primeiros 15 dias do mês chegaram a 45% em relação ao mesmo período do ano passado. "A cada semana após a reabertura estamos vendendo mais, apesar de a chuva afetar as vendas no varejo. Na segunda e terça-feira as vendas foram tímidas, pior do que nas outras semanas", relatou. Mesmo assim, Klein disse que, na média, a loja está vendendo cada vez mais em comparação à semana anterior.

Ele destacou que, por conta da pandemia, lojas e centros comerciais funcionarem em horário reduzido, de segunda a sábado, das 9h às 17h, e os shoppings, das 12h às 20h, o que também acaba afetando o desempenho. Sem abrir aos domingos e com horário reduzido, Klein precisou ajustar os custos. "Parte dos funcionários está com contrato suspenso, com o governo federal pagando auxílio. Isso ajuda bastante, pois já é 50% da folha economizada", revelou. Por enquanto, Klein acredita que é desnecessário aumentar horário de funcionamento.

"Não seria interessante ampliar agora até em função da demanda", assinala. "Espero que haja estabilização das internações em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) e diminuição do número de mortes para que as pessoas se sintam mais confiantes para sair, comprar e gastar", completa. Na avaliação do presidente do Sindilojas, Paulo Kruse, as vendas estão 'oscilando muito'. "Tem alguns comerciantes conseguindo números bons e têm outros que nem tanto. E a chuva tem atrapalhado bastante o comércio. Tradicionalmente quando há chuva, atrapalha bastante", observou.

Embora reconheça que os números não 'são satisfatórios', Kruse reforça otimismo na retomada das vendas e comemora a manutenção das lojas abertas durante a semana, mas alerta que os resultados variam no segmento. "Tem lojas de perfumes e cosméticos que estão tendo bons resultados. Algumas lojas instaladas na rua Voluntários da Pátria e em shoppings também têm bons resultados. Outras têm resultados muito ruins", comparou.

Momento é de crescimento

O presidente da CDL, Irio Piva, reconhece que a chuva e o tempo instável prejudicaram as vendas, mas afirma que o momento é de crescimento no setor. "Conversei com alguns lojistas, não é dado estatístico, mas alguns registraram em torno de 60% de vendas em relação ao ano passado", frisou, acrescentando que é preciso considerar horário reduzido de funcionamento. Piva destaca que determinadas empresas conseguiram adequar custos por conta da carga horária reduzida. "Se tiver desempenho em torno de 70% em relação ao ano passado já é considerado bom desempenho.

Conforme dados da CDL, os dados apontam que o desempenho varia de 55% a 60% em relação ao mesmo período do ano passado. "A avaliação é positiva, mas é claro que estamos trabalhando bastante para melhorar esse número, que ainda não é suficiente, mas já é indicativo positivo", assinalou. Piva defende a retomada 'total' das atividades', embora ressalte a importância de analisar as diferentes realidades por segmento e a opção de cada lojistas querer abrir.


"Não dá para dizer que todos lojistas defendem a retomada imediata de horário de funcionamento ampliado. Por exemplo, tem pequenas empresas que conseguiram ajustar seus custos para horário de funcionamento nesse momento e que estavam sofrendo muito. Com movimento que está tendo, torna possível sobreviver", afirmou.