Vice-governador alerta para risco de desabamento do prédio da SSP após incêndio em Porto Alegre

Vice-governador alerta para risco de desabamento do prédio da SSP após incêndio em Porto Alegre

Bombeiros desaparecidos eram experientes no combate a incêndios

Luiz Felipe Mello

Vice-governador alerta para risco de desabamento do prédio da SSP em Porto Alegre

publicidade

As próximas medidas a serem tomadas sobre o incêndio que atingiu o prédio da Secretaria da Segurança Pública, em Porto Alegre, devem ser feitas com cuidado. A prioridade do Corpo de Bombeiros é a localização dos dois agentes desaparecidos durante o combate às chamas, mas, de acordo com o vice-governador do RS e secretário da Segurança Pública, Ranolfo Vieira Júnior, a edificação pode desabar. 

"Estamos trabalhando para avaliar toda esta situação e por onde vamos começar. Há risco do prédio ruir, desabar. As equipes de busca e salvamento estão se dirigindo ao local, mas temos de ter cuidado porque não podemos nos aproximar muito do prédio. A situação piorou demais desde a notícia do desaparecimento dos dois bombeiros. Eles são a nossa prioridade total", resumiu Vieira Júnior nesta quinta-feira. 

Um engenheiro que está presente no local relatou à reportagem da Rádio Guaíba que o miolo do prédio ruiu e o edifício pode ser considerado condenado. "Mesmo o que não caiu foi submetido a um calor tão intenso que afeta a estrutura, perdendo a capacidade estrutural", relatou. 

 

Segundo informações preliminares, os bombeiros desaparecidos, que ainda não foram identificados, são um primeiro-tenente e um sargento. Eles teriam experiência neste tipo de situação. "Vamos tentar localizá-los e torcendo para que seja com vida", acrescentou. 

Conforme Vieira Júnior, uma empresa foi contratada e estava executando o PPCI do prédio da Secretaria da Segurança Pública. "Se não estou equivocado, a empresa teria um contrato de seis meses. Estávamos no segundo mês de execução. Troca de extintores, pelo que sei, já teria sido feita. Mas tudo será apurado", assegurou. 

O serviço 190, que foi comprometido logo no início do incêndio, foi restabelecido, segundo o vice-governador. No prédio destruído pelo incêndio funcionavam o Detran, em três andares. "Tínhamos um meio andar para o IGP, com a sua parte administrativa; um andar e meio para a Susepe e a Secretaria de Administração Penitenciária", explicou. 

O incêndio 

O incêndio que atingiu a SSP teria começado por volta das 22h dessa quarta-feira e se alastrou rapidamente, tomando grandes proporções. Localizado na rua Voluntários da Pátria, no Centro de Porto Alegre, o prédio começou a ser destruído no 4º andar, local em que as chamas teriam iniciado. Ali fica o setor de alvarás da Susepe. 

Duas funcionárias estavam no local no momento em que o fogo começou. Elas utilizaram os extintores, mas as chamas persistiram. O fogo, então, atingiu o telhado do Centro Integrado, localizado ao lado. Partes da edificação desabaram por conta do calor proporcionado pelo incêndio. 

 

 

Veja Também

 


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895