Áustria inicia confinamento de não vacinados contra a Covid-19

Áustria inicia confinamento de não vacinados contra a Covid-19

Medida é inédita na União Europeia e pretende frear o número recorde de novas infecções no país

R7 e AFP

publicidade

As pessoas não vacinadas ou que não contraíram recentemente a Covid-19 terão que obedecer um confinamento a partir desta segunda-feira na Áustria. A medida é inédita na União Europeia e pretende frear o número recorde de novas infecções. "A situação é grave. Não adotamos a medida de maneira leve, mas infelizmente é necessária", disse o chanceler Alexander Schallenberg em uma entrevista coletiva em Viena.

Quase 65% da população recebeu as duas doses da vacina na Áustria, percentual inferior à média europeia, que é de 67%, e longe de países como Espanha (79%) e França (75%). Schallenberg considerou o índice "vergonhosamente baixo" ao anunciar na última sexta-feira o plano de confinamento.

Concretamente, cerca de 2 milhões de pessoas não poderão deixar suas casas, a não ser para fazer compras, praticar esportes ou receber atendimento médico. A medida será aplicada a todas as pessoas a partir de 12 anos. E para garantir o respeito da medida, as autoridades farão controles não anunciados "em uma escala sem precedentes" em zonas públicas, segundo o governo, que mobilizará viaturas policiais adicionais.

Os infratores se arriscam a pagar uma multa de 500 euros (570 dólares). Quem se negar a passar pelos controles pagará 1.450 euros.

O governo avaliará os resultados das restrições em um prazo de dez dias, informou o ministro da Saúde, Wolfgang Mückstein, que pediu aos hesitantes que aceitem a vacina o mais rápido possível.

Uma comissão parlamentar autorizou a medida no último domingo à noite, graças ao apoio do partido conservador e dos Verdes, membros da coalizão no poder. A oposição foi contra.

Protestos

Centenas de manifestantes contrários à medida se reuniram diante da sede de governo com cartazes que incluíam a frase "não à vacinação obrigatória". As pessoas não vacinadas já estão proibidas de entrar em restaurantes, hotéis e salões de beleza. "Estou aqui para enviar uma mensagem, temos que lutar", declarou à AFP Sarah Hein, de 30 anos, que trabalha em um hospital. "Queremos trabalhar, queremos ajudar as pessoas, mas não nos vacinar. Depende de nós".

A cidade de Viena também é a primeira da UE a iniciar um programa de vacinação para crianças de cinco a 11 anos, com o fármaco da Pfizer-BioNTech. As primeiras 5 mil doses na faixa etária serão aplicadas nesta segunda-feira. A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) está revisando os dados e ainda não anunciou a aprovação à vacinação das crianças.

Os países membros, no entanto, têm o direito de utilizar produtos não autorizados em resposta a uma emergência de "saúde pública".

Também em Viena, para comparecer a eventos culturais ou esportivos com mais de 25 pessoas ou para sair para jantar será exigido a partir de agora um teste PCR, além do certificado de vacinação ou de recuperação da doença.

No sábado, a Áustria registrou mais de 13 mil novos casos de Covid-19 em um país com mais de 9,8 milhões de habitantes, o maior número de contágios desde o início da pandemia, que provocou 11,7 mil mortes no país.

A Europa é afetada por uma nova onda da pandemia, o que obrigou vários países a restabelecer as restrições, como Holanda e Noruega.


Mais Lidas





Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895