Áustria retira AstraZeneca da campanha de vacinação anticovid

Áustria retira AstraZeneca da campanha de vacinação anticovid

País europeu tomou a decisão devido a problemas de entrega e aos seus efeitos colaterais raros, mas graves

AFP

Áustria retira AstraZeneca da campanha de vacinação anticovid

publicidade

A Áustria deixará de usar a vacina anticovid da AstraZeneca, devido a problemas de entrega e a sua má reputação, após decisões similares já adotadas por Noruega e Dinamarca. Estes dois últimos pararam de usar este imunizante, devido a efeitos colaterais raros, mas graves.

"Provavelmente continuaremos administrando as primeiras doses até o início de junho, mas é só", declarou o ministro da Saúde, Wolfgang Mückstein, na segunda-feira à noite ao canal privado Puls 24, acrescentando que, depois disso, "a AstraZeneca será abandonada".

Além dos persistentes atrasos nas entregas, que deflagraram a abertura, por parte da Comissão Europeia, de procedimentos judiciais contra o laboratório anglo-sueco, o ministro destacou as reticências da população, devido aos raríssimos casos de trombose que a vacina pode causar.

Nesse sentido, Mückstein, médico de profissão, considerou que se trata de uma "vacina segura e alta proteção", de acordo com o parecer da Agência Europeia de Medicamentos (EMA, na sigla em inglês) e da Organização Mundial da Saúde (OMS). Ambas afirmam que seus benefícios superam os riscos.

A Áustria continuará vacinando a população com os imunizantes da Pfizer/BioNtech e da Moderna, que utilizam tecnologia de RNA mensageiro. De seus 8,9 milhões de habitantes, um terço já recebeu a primeira dose anticovid.

Em meados de abril, a Dinamarca decidiu interromper a aplicação da AstraZeneca, tornando-se o primeiro país da Europa a adotar a medida. Em maio, a Noruega seguiu na mesma direção. A maioria dos países europeus que continuam a usar a vacina da AstraZeneca impôs limites de idade.

Veja Também


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895