Acordo pós-Brexit é possível nos próximos dias, afirma chanceler irlandês

Acordo pós-Brexit é possível nos próximos dias, afirma chanceler irlandês

Período de transição termina em 31 de dezembro

AFP

O negociador-chefe da UE, Michel Barnier, (C), usando uma máscara protetora no rosto para combater a propagação do coronavírus, caminha até um centro de conferências no centro de Londres

publicidade

O ministro irlandês das Relações Exteriores, Simon Coveney, afirmou nesta quinta-feira que o Reino Unido e a União Europeia (UE) podem alcançar um acordo nos próximos dias sobre a relação comercial pós-Brexit, caso os europeus mantenham a "calma". A nação insular abandonou oficialmente o bloco em 31 de janeiro e está em um período de transição que termina em 31 de dezembro, o que dá aos dois lados um tempo muito curto para um um acordo sobre a futura relação, caso desejem evitar uma ruptura brutal de consequências caóticas.

O cenário, de acordo com fontes europeias, cria tensões entre os países membros do bloco sobre as concessões que devem ser feitas a Londres. "Este é o momento de manter a calma", declarou Coveney à rádio irlandesa Newstalk, antes de destacar que os 27 devem confiar em seu negociador chefe, o francês Michel Barnier.

"Acredito que se fizermos isto, há uma boa possibilidade de que possamos chegar a um acordo nos próximos dias", completou. Sem um acordo, a partir de 1 de janeiro, as relações comerciais entre as duas margens do Canal da Mancha passariam a ser administradas pelas regras da Organização Mundial do Comércio (OMC), o que implica tarifas e cotas alfandegárias que representariam um novo golpe às economias já enfraquecidas pela pandemia.

Veja Também

Para que os Parlamentos britânico e europeu tenham tempo de ratificar um tratado, as negociações devem ser concluíras nos próximos dias."Não é nenhum segredo que o tempo está acabando", disse Coveney, que nesta quinta-feira estava em Paris para "trocar opiniões sobre o Brexit" com autoridades do governo francês. E ele destacou que, se um acordo não for alcançado, não haverá "novas prorrogações ou tempo adicional" após 1º de janeiro.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, se declarou "otimista" sobre o resultado das negociações. Contudo, está disposto a aceitar uma ruptura sem acordo em caso de fracasso das conversações, afirmou na quarta-feira um porta-voz de Downing Street.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895