Adiada para junho audiência sobre extradição de Assange
capa

Adiada para junho audiência sobre extradição de Assange

Governo norte-americano apresentou 18 acusações contra o australiano

Por
AFP

Próxima audiência acontece prisão onde cumpre sentença de 50 semanas

publicidade

A Justiça britânica adiou até junho a audiência sobre a extradição para os Estados Unidos do fundador do WikiLeaks Julian Assange, que, segundo seu advogado, está com problemas de saúde. O governo dos Estados Unidos apresentou 18 acusações contra o australiano de 47 anos, que viveu por sete anos na embaixada do Equador em Londres, onde foi preso em 11 de abril depois que Quito retirou o asilo e a nacionalidade equatoriana.

Leia mais sobre Julian Assange

Desde então, a Suécia reabriu uma investigação de 2010 por estupro contra Assange e poderia apresentar seu próprio pedido de extradição. Um tribunal de Londres realizou uma breve audiência na qual adiou a revisão do pedido de extradição dos Estados Unidos até 12 de junho. A juíza Emma Arbuthnot disse que Assange "não está muito bem" e que a próxima audiência será realizada na prisão de Belmarsh, onde ele está cumprindo uma sentença de 50 semanas por violar as condições de sua liberdade condicional britânica, refugiando-se na embaixada equatoriana em 2012.

O WikiLeaks expressou uma "séria preocupação" com o estado de saúde de Assange, afirmando que ele foi transferido para o pavilhão médico da prisão. Trinta manifestantes, alguns com máscaras de Assange e um vestido como um apito gigante para representar suas atividades de denúncia, gritavam "queremos justiça" e "parem de matar Assange" às portas do tribunal.

Dezesseis das 17 acusações dos Estados Unidos contra Assange sob a Lei de Espionagem dizem respeito à obtenção e divulgação de informações classificadas pelo WikiLeaks. Um encargo separado diz respeito a atividades de ciberpirataria. Se condenado pelas 18 acusações, poderá ser sentenciado a até 175 anos de prisão.