Alberto Fernández volta a pedir liberdade de Lula

Alberto Fernández volta a pedir liberdade de Lula

Em post, peronista divulgou carta enviada pelo ex-presidente saudando eleição

AE

Apoio de Fernández ao petista causa desconforto em relações com Bolsonaro

publicidade

O recém-eleito presidente da Argentina, Alberto Fernández, voltou a pedir a libertação do ex-presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva. No final da noite de segunda-feira, Fernández utilizou sua conta no Twitter para agradecer uma carta enviada por Lula, endereçada a ele, e pediu novamente pela liberdade do ex-presidente.
 

 


"As palavras do meu amigo Lula me emocionam. Como disse em sua carta, junto a Cristina Kirchner, recuperaremos de pouco em pouco nossos laços de fraternidade e respeito. Aproveito para pedir por sua liberdade e para enviar uma cálida saudação a todo o povo irmão do Brasil. #LulaLivre", escreveu o presidente argentino em sua publicação.

Na carta, datada em 29 de outubro, Lula parabeniza Fernández e Cristina pela vitória nas eleições presidenciais e agradece pela solidariedade com ele. O ex-presidente também deseja que o novo presidente argentino faça um bom governo e que, ao lado de sua vice-presidente, "cuidem com muito carinho dos nossos irmãos e irmãs argentinos."

Logo após a eleição, Fernández fez uma selfie ao lado de correligionários fazendo o gesto de "Lula Livre", e pediu pela libertação do ex-presidente, também usando sua conta no Twitter. "Também hoje faz aniversário meu amigo Lula, um homem extraordinário que está injustamente preso faz um ano e meio", escreveu no dia da eleição.

O gesto foi condenado pelo presidente Jair Bolsonaro. Durante visita aos Emirados Árabes Unidos, Bolsonaro disse lamentar a eleição e a postura de Fernández após a publicação. "Não tenho bola de cristal, mas acho que a Argentina escolheu mal", disse. E completou: "O primeiro ato de Fernández foi 'Lula Livre', dizendo que está preso injustamente. Já disse a que veio."

Além disso, Bolsonaro afirmou que o gesto é uma afronta à democracia brasileira. "É uma afronta à democracia brasileira, ao sistema judiciário brasileiro. Uma pessoa condenada em duas instâncias, outras condenações a caminho. Ele está afrontando o Brasil de graça no meu entender. Nós estamos aguardando seus passos para, talvez no futuro, tomar alguma decisão em defesa do Brasil. Decisões em defesa do Brasil", completou.

 


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895