Alemanha tem novo recorde de casos diários de Covid-19 e Merkel pede isolamento

Alemanha tem novo recorde de casos diários de Covid-19 e Merkel pede isolamento

Casos chegaram a 7.830 nas últimas 24 horas, segundo o centro de controle de doenças do país

AE

Total agora alcança 356.387 infecções, enquanto óbitos continuam em 9.767

publicidade

A Alemanha registrou, neste sábado, um novo recorde no número de novos casos diários de coronavírus, que chegaram a 7.830 nas últimas 24 horas, segundo o Instituto Robert Koch, o centro de controle de doenças do país. O total agora alcança 356.387 infecções, enquanto os óbitos decorrentes da doença continuam contabilizados em 9.767. Nesse cenário, a chanceler do país, Angela Merkel, pediu aos alemães que evitem viagens desnecessárias, cancelem festas e permaneçam em casa sempre que possível.

"O que nos trouxe tão bem durante o primeiro semestre da pandemia?" ela questionou, em um vídeo publicado semanalmente. "É que ficamos juntos e obedecemos às regras por consideração e bom senso. Este é o remédio mais eficaz que temos atualmente contra a pandemia e é mais necessário agora do que nunca", disse Merkel. E acrescentou que os próximos meses serão difíceis. "Como será o inverno, como será o nosso Natal, isso tudo será decidido nos próximos dias e semanas, e será decidido pelo nosso comportamento".

O número de infecções continua crescendo também na República Tcheca, onde a quantidade de casos superou a marca de 10 mil ontem pela primeira vez. Segundo o Ministério da Saúde do país, 11.105 pessoas foram infectadas da quinta-feira para a sexta-feira, 1.400 a mais do que o recorde anterior, registrado na própria quinta-feira. Com isso, o total de infectados no país subiu para 160.112, com 1.283 mortes.

Veja Também

Já a região da Lombardia, no norte da Itália, onde o surto europeu começou em fevereiro, voltou a ser atingida de forma expressiva pela Covid-19. Na última semana, mais de 2 mil novos casos diários foram registrados na região, elevando a pressão sobre os hospitais e a ocupação das unidades de terapia intensiva. Dessa forma, o governo começou a limitar os serviços de bares e restaurantes, além de flexibilizar o funcionamento das escolas, alternando entre aulas presenciais e online.

Enquanto isso, em outros países europeus, novas restrições entraram em vigor na tentativa de frear a segunda onda de propagação da doença. Em Paris e em outras oito cidades francesas, restaurantes, bares, cinemas e outros estabelecimentos estão sendo obrigados a fecharem às 21h para reduzir o contato entre as pessoas.

Na Grã-Bretanha, entrou em vigor nesta semana um abordagem regional proposta pelo primeiro-ministro, Boris Johnson, dividida em três níveis para combater a pandemia com restrições progressivas. Neste sábado, as cidades que constam como nível 2, exemplo de Londres e York, passaram a proibir a socialização em ambientes fechados. Já o condado de Lancashire juntou-se a Liverpool no nível 3, com bloqueios mais rígidos.

Na Irlanda do Norte, passou a valer ontem um bloqueio que vai durar por quatro semanas. As orientações das autoridades são de que todos os pubs e restaurantes ficarão fechados, podendo funcionar apenas para fornecer pedidos para viagem. Da mesma forma, as escolas entrarão em um feriado prolongado por duas semanas.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895