Argentina se submete a nova avaliação do FMI à espera de novo desembolso

Argentina se submete a nova avaliação do FMI à espera de novo desembolso

Manifestantes tomaram as ruas contra ajustes fiscais firmados em contrapartida para empréstimo do Fundo

AFP

Fundo disponibilizou empréstimo de 56 bilhões de dólares

publicidade

O cumprimento do plano econômico do governo do presidente argentino, Mauricio Macri, será apresentado nesta sexta-feira à sua terceira revisão pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), que deve dar sua aprovação a um desembolso de 10,87 bilhões de dólares, o primeiro de 2019.

Com uma crise econômica que eclodiu há um ano e mergulhou o país em recessão, a Argentina negociou com o FMI um empréstimo de 56 bilhões de dólares, dos quais já recebeu 28 bilhões, em troca de alcançar o equilíbrio fiscal neste ano, entre outros objetivos. O acordo com o FMI é altamente impopular e duramente criticado - a pouco mais de seis meses das eleições presidenciais, em 27 de outubro.

Milhares de manifestantes foram às ruas para protestar contra as políticas de ajuste na quinta-feira. "O governo pede um empréstimo do FMI, mas nós morremos de fome", disse Julián Pérez, de 19 anos, à AFP durante as manifestações em Buenos Aires. O déficit fiscal, indicado como a origem das distorções econômicas da Argentina, está sob controle.

Em 2018 fechou em 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), resultado melhor que a previsão de 2,7% acordada com o FMI. Em 2017, havia sido de 3,9% e, em 2015, de 6%. Embora os dados do primeiro trimestre de 2019 ainda não estejam disponíveis, é dado como certo que este será um dos pontos a favor da Argentina. "No primeiro trimestre, ficará evidente que o ajuste acordado está sendo cumprido", disse o economista Ramiro Castiñeira, da firma Econométrica, à AFP.

Um porta-voz do FMI também disse que "dados preliminares indicam que as metas serão atingidas". Contudo, a Argentina continua a lutar para conter a inflação - uma das maiores do mundo - a desvalorização cambial e, consequentemente, a pobreza, que alcançou 32% da população em 2018.



Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895