Assembleia Geral da ONU votará na quinta suspensão da Rússia do Conselho de Direitos Humanos

Assembleia Geral da ONU votará na quinta suspensão da Rússia do Conselho de Direitos Humanos

Para medida ser aprovada, é necessária a maioria de dois terços dos países

AFP

Diplomatas em reunião da ONU nessa terça

publicidade

A Assembleia Geral da ONU votará nesta quinta-feira, a partir das 14h GMT (11h de Brasília), um pedido de países ocidentais para suspender a Rússia do Conselho de Direitos Humanos do organismo, em resposta à invasão da Ucrânia, informou a presidência do organismo.

Para a suspensão da Rússia do Conselho de Direitos Humanos, que tem sede em Genebra, é necessária a maioria de dois terços dos países que votarão a favor e contra na sessão, para a qual são convidados os 193 Estados membros da Assembleia Geral. As abstenções não contam.

O presidente da Ucrânia, Volodymir Zelensky, cobrou ações do Conselho de Segurança da ONU na guerra na Ucrânia durante sua fala nessa terça-feira. "Onde está a segurança que deve ser garantida por esse Conselho?", questionou ao falar sobre a destruição das cidades ucranianas e das centenas de civis mortos na cidade de Bucha, afirmando que as tropas russas são responsáveis pelos "piores crimes de guerra" já cometidos desde a Segunda Guerra Mundial.

Acompanhe o avanço das tropas russas na Ucrânia a cada dia

"O mundo pode ver o que os militares russos fizeram em Bucha enquanto ocupavam a cidade, mas precisam ver o que fizeram em outros locais. A crueldade é a mesma e a responsabilidade precisa ser atribuída", apontou ao Conselho.

O presidente ucraniano pediu que a Rússia seja expulsa do Conselho de Segurança. Para Zelensky, se novos caminhos para a paz também não forem encontrados, a alternativa seria a dissolução completa do órgão. "Exceções e privilégios não podem existir, todo o mundo deve ser igual. O poder da paz deve ser dominante. A humanidade sempre buscou isso. (...) O Conselho precisa ter representação justa de todas as regiões do mundo”.

Veja Também



Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895