Atentado deixa mais de 60 mortos em mesquita no Afeganistão
capa

Atentado deixa mais de 60 mortos em mesquita no Afeganistão

Não houve reivindicação imediata de responsabilidade pelas explosões

Por
Correio do Povo e AFP

Ataque ocorreu próximo à fronteira com o Paquistão

publicidade

Um ataque a uma mesquita na província de Nangarhar, na reigão leste do Afeganistão, realizado durante a oração desta sexta-feira, deixou 62 mortos e 33 feridos, segundo um novo balanço das autoridades. O Talibã – que na metade do ano se reuniu com representantes da sociedade afegã e comprometeram-se a traçar um “mapa do caminho para a paz”, baseado no lançamento de um processo de paz monitorado – condenou o ataque, que atribuem às forças do governo ou ao grupo do Estado Islâmico. Não houve reivindicação imediata de responsabilidade pelas explosões, que Sediq Sediqqi, porta-voz do presidente afegão Ashraf Ghani, condenou veementemente. "O governo afegão condena veementemente o ataque suicida de hoje em uma mesquita na província de Nangarhar", afirmou em um post no Twitter.

"Os inimigos do Afeganistão martirizaram e feriram alguns de nossos compatriotas durante as orações de sexta-feira, enquanto realizavam um ataque terrorista a uma mesquita na área de Jodri, no distrito de Haski Main, na província de Nangarhar. O presidente do Afeganistão condenou fortemente o ataque terrorista e o condenou fortemente. O Presidente enfatizou que os terroristas e seus apoiadores nunca atingirão seu objetivo atacando mesquitas, hospitais, civis e instalações públicas, pois nossas bravas forças de segurança e defesa os levarão a todos os lugares. Pesquise e ele desaparecerá".

O porta-voz do governo regional, Attaulá Jogyani, acrescentou que os mortos eram em sua maioria jovens e estavam orando no momento da explosão. Segundo Jogyani, os explosivos foram colocados no interior da mesquita e acionados à distância.Sohrab Qaderi, membro do conselho provincial de Nangarhar, disse que mais de 100 pessoas foram feridas no incidente e que o número de mortos provavelmente aumentará. "Pode aumentar à medida que a equipe de resgate e as pessoas estão trabalhando para retirar os corpos dos escombros", disse Qaderi.

Este ataque acontece após a ONU publicar um novo relatório na quinta-feira com o número "sem precedentes" de civis mortos ou feridos no Afeganistão entre julho e setembro. O relatório, que também observa a violência ao longo de 2019 até agora, enfatiza que "os afegãos foram expostos a níveis extremos de violência por muitos anos", apesar das promessas de todas as partes de "prevenir e mitigar os danos ao meio ambiente e aos civis". O documento observa o preço que os civis têm que pagar, dada a crença generalizada de que nenhum partido poderá vencer a guerra no Afeganistão. 

"As vítimas civis são totalmente inaceitáveis", disse o representante especial da ONU no Afeganistão, Tadamichi Yamamoto, acrescentando que o documento demonstra a importância das negociações que levem a um cessar-fogo e a um acordo político permanente. Os números, 1.174 civis mortos e 3.139 feridos de 1º de julho a 30 de setembro, representam um aumento de 42% em relação ao mesmo período de 2018.