Balanço de ataque contra prisão no México sobe para 26 mortos

Balanço de ataque contra prisão no México sobe para 26 mortos

Dois agentes e cinco supostos criminosos morreram durante os confrontos

AFP

Dois agentes e cinco supostos criminosos morreram durante os confrontos

publicidade

O ataque realizado no domingo (1º) contra uma penitenciária de Ciudad Juárez, no norte do México, deixou 26 mortos e 25 presos foragidos — informou o governo em novo balanço divulgado nesta terça-feira (3).

Dois agentes da Promotoria do estado de Chihuahua e cinco supostos criminosos morreram ontem em confrontos em dois pontos de Ciudad Juárez (norte), quando as autoridades faziam operações para localizar os presos que fugiram após o assalto à prisão cometido no domingo. 

De acordo com um comunicado da Secretaria de Segurança Pública de Chihuahua, dois agentes da Promotoria ficaram feridos nesses confrontos, e armas longas foram apreendidas.

O secretário da Defesa, Luis Cresencio Sandoval, informou que cinco criminosos foram capturados.

Entre os foragidos está o chefe de um grupo aliado do cartel de Juárez em sua guerra contra o de Sinaloa, anteriormente liderado por Joaquín "El Chapo" Guzmán, condenado à prisão perpétua nos Estados Unidos.

Trata-se de Ernesto Alfredo Piñón, "líder deste grupo criminoso conhecido como 'El Neto'", acrescentou a secretária de Segurança, Rosa Icela Rodríguez, na mesma coletiva.

Piñón estava preso desde 2009 e, no ano seguinte, foi condenando a mais de 200 anos de prisão por sequestro e homicídio, segundo informações do Ministério Público do estado de Chihuahua (norte).

Quando seria transferido após sua captura, um grupo de criminosos tentou libertar "El Neto", mas não teve sucesso e o detendo ficou ferido.

Segundo Sandoval, apesar do perigo, o infrator não havia sido transferido para uma prisão federal de alta segurança porque as autoridades de Chihuahua não o solicitaram. 

O presídio atacado, onde estão detidos vários pistoleiros e traficantes de rua, é de responsabilidade daquele estado.

O ataque aconteceu ao amanhecer de domingo, quando familiares dos detentos estavam em fila para a visita de Ano Novo, e o esquadrão, que chegou em veículos blindados, abriu fogo contra os guardas.

Nesta segunda, as forças da ordem continuavam mobilizadas em busca dos foragidos e dos outros integrantes do comando armado.

Ciudad Juárez fica próxima da fronteira com os Estados Unidos e é estratégica para o tráfico de drogas.

Com capacidade para 3.135 detentos, mas ocupada atualmente por 3.901, a prisão atacada já foi cenário de diversas disputas entre grupos rivais e rebeliões, entre elas uma que deixou 20 mortos em março de 2009.


Mais Lidas

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895