Bolsonaro defende redução de tarifa externa comum em cúpula do Mercosul
capa

Bolsonaro defende redução de tarifa externa comum em cúpula do Mercosul

Presidente destacou que a abertura comercial é fundamental para o desenvolvimento

Por
Henrique Massaro

Bolsonaro discursou na abertura da 55ª Cúpula do Mercosul


publicidade

O presidente Jair Bolsonaro defendeu nesta quinta-feira a necessidade de reduzir ou revisar a Tarifa Externa Comum (TEC) para a participação do Mercosul na economia mundial. Durante seu discurso na Cúpula do Vale dos Vinhedos, ele destacou que a abertura comercial é fundamental para o desenvolvimento. O evento em Bento Gonçalves, na serra gaúcha, encerra a presidência semestral brasileira (PPTB) na organização, que está sendo transferida para o Paraguai. 

Durante sua fala, Bolsonaro disse que é fator determinante para a participação do Mercosul na economia mundial o nível do imposto aplicado às importações. “A taxação excessiva afeta a competitividade e é prejudicial a quem produz. O Brasil confia na abertura comercial como ferramenta de desenvolvimento e por isso insiste na necessidade de reduzir ou revisar a Tarifa Externa Comum. Não podemos perder tempo, precisamos levar adiante as reformas que estão dando vitalidade ao Mercosul, sem retrocessos ideológicos”, destacou o presidente. 

Bolsonaro ressaltou que, nesta quinta-feira, serão assinados acordos que irão agilizar e simplificar as trocas entre os países, como o acordo de facilitação do comércio. “Temos que seguir avançando igualmente na direção de um Mercosul mais enxuto e eficiente, em sintonia coma racionalização do Estado que levamos adiante no plano interno”, afirmou. O presidente citou também que a defesa da democracia é um pilar essencial e que o compromisso com a liberdade deve continuar. “Foi esse empenho que nos permitiu, nesse semestre, obter um importante acordo sobre operação policial”, disse, parabenizando o ministro Sérgio Moro por sua atuação pelo lado brasileiro. 


O presidente ainda disse que, apesar da dificuldade fiscal, o Brasil fará um pagamento de R$ 12 milhões ao Fundo para a Convergência Estrutural do Mercosul (Focem). Também falou sobre a importância da renovação da organização e, assim como havia feito no dia anterior o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, mencionou os acordos fechados com a União Europeia e com a Associação Europeia de Livre Comércio (EFTA). “Agora precisamos assegurar que esses acordos sejam implementados com rapidez e prosseguir bons contatos com parceiros mundo agora”, comentou.