Bombardeios e combates matam 45 pessoas na Síria
capa

Bombardeios e combates matam 45 pessoas na Síria

Pelo menos 10 das vítimas eram civis em ataques aéreos

Por
AFP

Entre os civis mortos por ataque aéreo estavam três crianças

publicidade

Pelo menos 45 pessoas, incluindo 10 civis, morreram neste sábado em ataques aéreos e combates entre o Exército sírio e seus aliados contra grupos rebeldes e jihadistas no noroeste da Síria, informou uma ONG. "Os ataques aéreos conduzidos pelas aviações síria e russa, bem como os combates no norte da província de Hama, mataram pelo menos 26 combatentes do regime e de seus aliados e nove combatentes de grupos rebeldes e jihadistas desde o amanhecer", disse à AFP o diretor do Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH), Rami Abdel Rahman.

Além disso, dez civis, incluindo três crianças, foram mortos em ataques da aviação síria em várias aldeias e localidades do sul de Idlib, incluindo Maaret al-Noomane e Al-Bara, de acordo com o OSDH. Dos 26 combatentes pró-regime, dezoito foram mortos nos combates e outros oito na explosão da minas subterrâneas, informou o Observatório.

Nove jihadistas e rebeldes também morreram nos combates e ataques aéreos. Entre eles estão combatentes do grupo Hayat Tahrir al-Sham (HTS), dominado pela antiga facção síria da Al-Qaeda e que controla grande parte da região de Idlib, de acordo com o OSDH. Os combates no terreno concentraram-se em uma área do norte de Hama que os insurgentes haviam recuperado do regime há mais de uma semana. "Desde esta manhã, o regime fracassou em cinco tentativas de retomar o controle de Jibine e Tal Maleh, no noroeste da província de Hama", explicou Abdel Rahman.

Em 6 de junho, jihadistas e rebeldes islâmicos lançaram um contra-ataque, assumindo o controle de ambas as localidades. Os combates mataram mais de 100 pessoas de ambos os lados em 24 horas. Nas últimas semanas, a província de Idlib tem sido alvo de bombardeios quase diários do regime sírio e de seu aliado russo. Esta região, que ainda escapa ao controle de Damasco, foi, no entanto, objeto de um acordo sobre a criação de uma "zona desmilitarizada" em setembro passado entre Moscou e Ancara, evitando uma grande ofensiva.

Na sexta-feira, o ministro das Relações Exteriores turco disse que a Rússia não tinha "desculpas" para não pressionar o regime sírio a interromper seus ataques no noroeste da Síria. A nova onda de violência em uma região onde vivem cerca de três milhões de pessoas, deixou 400 civis mortos desde o final de abril, segundo o OSDH.

Cerca de 660 combatentes rebeldes e jihadistas também morreram em confrontos e bombardeios durante o mesmo período, contra 545 soldados do Exército sírio e seus aliados, segundo a mesma fonte. Iniciada em 2011, a guerra na Síria já matou mais de 370.000 pessoas e desalojou vários milhões.