Boris Johnson assume como premiê do Reino Unido
capa

Boris Johnson assume como premiê do Reino Unido

Em discurso, líder conservador prometeu promover união do país

Por
AFP

Promessa de Brexit a todo custo causa desconforto com co-partidários

publicidade

Boris Johnson se converteu oficialmente nesta quarta-feira no primeiro-ministro britânico com a missão de concretizar a qualquer preço a saída do Reino Unido da União Europeia no dia 31 de outubro. O ex-ministro das Relações Exteriores, conhecido por seus excessos, sua oratória exuberante e sua turbulenta vida amorosa, foi designado na terça o novo líder do Partido Conservador, o que o fará suceder Theresa May.

O político de 55 anos assumirá oficialmente o comando do governo após uma reunião com a rainha Elizabeth II no palácio de Buckingham na tarde desta quarta-feira. Em seguida, pronunciará seu discurso inaugural ante sua residência de número 10 da Downing Street. Durante seu discurso como um novo líder conservador na terça-feira, Johnson encorajou seus concidadãos a "abandonar dúvidas e negatividade", e prometeu unir um país fortemente dividido.

Mas sua promessa de deixar a União Europeia com ou sem um acordo dentro do prazo limite de 31 de outubro o coloca em uma situação de colisão com altos representantes de seu próprio partido que não querem um Brexit abrupto, ameaçando sua pequena maioria e elevando a perspectiva de algum eleições gerais antecipadas.

Johnson nunca escondeu sua ambição pelo poder, usando suas piadas e fanfarronices para conseguir vitórias eleitorais improváveis, mas agora ele assume em um momento tremendamente delicado. O texto do Brexit negociado entre os 27 parceiros europeus e a então premiê Theresa May, e rejeitado pelo Parlamento britânico em três ocasiões, continua sob a mesa, intocável.

Além disso, agenda de Johnson está ainda mais complicada pelo perigoso conflito com o Irã sobre a captura de petroleiros britânicos no Golfo, em retaliação à imobilização em Gibraltar de um petroleiro iraniano, acusado de violar sanções europeias à Síria por transportar petróleo para este país.

Advertência

O grupo de trabalho sobre o Brexit da Eurocâmara já alertou nesta quarta alertou o novo primeiro-ministro sobre as consequências "prejudiciais" de uma retirada do Reino Unido da União Europeia (UE) sem acordo. "Declarações recentes, especialmente as feitas durante a campanha pela liderança do Partido Conservador, aumentaram muito o risco de uma saída desordenada do Reino Unido", disse o grupo em um comunicado.

Para os eurodeputados, que falaram com o negociador europeu Michel Barnier, "uma saída sem acordo seria muito prejudicial do ponto de vista econômico, mesmo que esses danos não tenham sido igualmente infligidos por ambos os lados". A data do Brexit foi adiada para 31 de outubro, depois que a antecessora de Johnson, Theresa May, fracassou na tentativa do Parlamento Britânico de aprovar o acordo de divórcio fechado em novembro com a UE.

Johnson salientou durante a campanha para a sucessão de May sua intenção de renegociar o acordo, algo que a UE rejeita, e até mesmo retirar seu país do bloco sem um pacto, cenário temido pelos ambientes econômicos. Os europeus reiteraram nos últimos dias sua vontade de renegociar a declaração política que acompanha o Tratado de Retirada e que estabelece as bases para a futura relação de ambos os lados do Canal da Mancha.