Brasil ainda não tem canal de diálogo com o regime de Maduro, diz Ernesto de Araújo

Brasil ainda não tem canal de diálogo com o regime de Maduro, diz Ernesto de Araújo

Ministro ressaltou que país descarta fazer intervenção militar na Venezuela

Por
AE

Ministro afirmou que Brasil não irá interceder nas negociações que a Venezuela está realizando com outros países


publicidade

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, afirmou nesta sexta-feira que o Brasil não irá interceder nas negociações que a Venezuela está realizando com outros países. Ele disse também que o governo brasileiro ainda não tem um canal de diálogo com o regime de Nicolas Maduro, embora o presidente Jair Bolsonaro tenha dito nessa quinta que pode conversar com ele.

De acordo com o chanceler, o Brasil ainda não avalia qualquer tipo de intervenção militar no país vizinho. Ele voltou a destacar que as negociações devem ser feitas a partir do diálogo.

Araújo afirmou que a visita do líder da oposição venezuelana, Juan Guaidó, ao Brasil, na quinta-feira, foi importante para sedimentar as relações entre o governo brasileiro e o grupo oposicionista do país vizinho. "A visita de Guaidó nos deixou mais confiantes de que ele pode ser o centro da redemocratização. Foi fundamental porque ele nos mostrou que é uma alternativa séria, capaz de transformar o seu país", disse.

• Leia mais sobre a crise humanitária na Venezuela

O chanceler afirmou que o Brasil ainda está disposto a continuar com as tentativas de ajuda humanitária, mas novas incursões para levar alimentos e medicamentos à Venezuela dependerão de como caminha a situação ma fronteira com o Brasil. Segundo Araújo, ainda não há data para uma nova tentativa. Ele, no entanto, ressaltou que as 200 toneladas de alimentos que não puderam ser entregues nas primeiras tentativas não são perecíveis e têm prazo de validade longo.


Agenda

Araújo de reuniu no período da manhã com o vice-presidente Hamilton Mourão para discutir uma agenda para o grupo bilateral Brasil-China. A intenção é marcar uma nova reunião em breve. O chanceler também confirmou que Bolsonaro viajará ao Chile, Estados Unidos e Israel ainda em março.