Câmara dos Representantes inicia sessão de impeachment de Trump nos EUA

Câmara dos Representantes inicia sessão de impeachment de Trump nos EUA

Presidente é acusado de ter incitado violência contra o Capitólio

AE e AFP

Câmara começa sessão do impeachment de Trump

publicidade

A Câmara dos Representantes dos Estados Unidos iniciou na manhã desta quarta-feira, 13, a sessão do segundo impeachment contra o presidente norte-americano, Donald Trump. Deputados terão cerca de uma hora para debater o processo e devem votar a proposta por volta das 17h (horário de Brasília).

O republicano é acusado de ter incitado violência na última quarta-feira, quando apoiadores do presidente invadiram o Congresso com objetivo de impedir a certificação da vitória de Joe Biden nas eleições presidenciais. Pelo menos cinco pessoas morreram nos confrontos.

Com o apoio dos democratas e de alguns republicanos, o impeachment contra Trump deve passar facilmente na Câmara baixa. O 45º presidente pode assim se tornar o primeiro na história do país a ser submetido ao julgamento político duas vezes. 
Na terça-feira, Trump garantiu que não será afastado antes do final do mandato, em 20 de janeiro. De Alamo, no Texas, para onde viajou para comemorar a construção do muro na fronteira com o México, ele tentou mostrar uma imagem menos agressiva. "Agora é a hora de nossa nação se recuperar e é hora de paz e calma", disse ele.

Seu vice-presidente, Mike Pence, se recusou a invocar a 25ª Emenda à Constituição, que permitiria declarar o republicano inapto para o cargo. Apesar dessa rejeição, a Câmara de Representantes aprovou uma resolução simbólica pedindo que ele invocasse essa emenda.  Embora esse texto tenha recebido apenas o aval de um republicano, a abertura de um impeachment contra Trump pode ter um apoio maior entre os membros de seu partido.

Cinco deles já manifestaram intenção de votar a favor do "impeachment", entre eles Liz Cheney, uma das líderes da minoria republicana e filha do ex-vice-presidente Dick Cheney. "Esta insurreição causou ferimentos, mortes e destruição no espaço mais sagrado de nossa república", disse ela sobre a tomada do Congresso. Mesmo assim, o resultado do julgamento no Senado é incerto, onde uma maioria de dois terços é necessária para condenar Trump.

 


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895