Cerca de 900 pessoas ligadas ao Estado Islâmico escapam de campo na Síria após ofensiva turca
capa

Cerca de 900 pessoas ligadas ao Estado Islâmico escapam de campo na Síria após ofensiva turca

Conforme autoridades curdas, 249 mulheres e 700 filhos de combatentes escaparam do locam em meio aos bombardeios

Por
Correio do Povo

Operação turca chega ao seu quinto dia

publicidade

As forças turcas se aproximaram de Ain Eissa, uma importante cidade controlada pelos curdos no norte da Síria neste domingo, iniciando confrontos que permitiram que centenas de apoiadores do Estado Islâmico escapassem de um campo de deslocados próximos a uma base de coalizão liderada pelos Estados Unidos. De acordo com autoridades autoridades curdas sírias, cerca de 950 pessoas ligadas ao grupo terrorista – 249 mulheres e 700 filhos de combatentes – fugiram, aumentando o receio de que a ofensiva contra as forças curdas na área possa levar EI a recuperar forças em meio ao caos. 

O local abrigava 13 mil deslocados pelas lutas contra a organização terrorista, e fica a 35 km da fronteira. O monitor do Observatório Sírio para os Direitos Humanos, sediado no Reino Unido, colocou o número de fugitivos em 100, publicando fotos de homens, mulheres em niqabs pretos e crianças pequenas correndo pelo mato. Não ficou claro se as fotos mostravam pessoas ligadas ao grupo ou residentes civis do campo. "Vários membros das famílias do ISIS conseguiram deixar o campo à sombra do estado de confusão testemunhado na área, e também as forças de segurança interna (Asayish) se retiraram do campo com a aproximação dos confrontos", informou o órgão.


Com os danos causados pelas ofensivas turcas, o fornecimento hídrico foi interrompido, deixando 400 mil pessoas sem acesso a água. Equipes da ONU ainda não conseguiram entrar na estação de bombeamento de Hassakeh. O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, diz que a ofensiva tem como objetivo remover as forças lideradas pelos curdos da área de fronteira e criar uma "zona segura" para a qual milhões de refugiados sírios podem ser devolvidos. O Ministério da Defesa disse que suas tropas tomaram Ras al-Ain das Forças Democráticas Sírias (SDF), uma alegação que foi imediatamente refutada.

O secretário de Defesa dos Estados Unidos, Mark Esper, disse que o presidente Donald Trump ordenou que todas as tropas dos EUA no norte da Síria se mudassem para o sul, mas não deixassem o país. Ele afirmou ao programa  "Face the Nation", da CBS que o conflito entre forças turcas e combatentes curdos sírios apoiados pelos EUA se tornou "insustentável" para os militares dos EUA. Hope acrescentou que a invasão turca da Síria "parece ser" um crime de guerra e falou também que as autoridades curdas estão negociando com os governos sírio e russo para formar uma aliança contra os turcos.