Colossus, o robô bombeiro que entrou em Notre-Dame para apagar as chamas
capa

Colossus, o robô bombeiro que entrou em Notre-Dame para apagar as chamas

Tecnologia capaz de reduzir a temperatura de ambientes e enviar informações foi adquirida há dois anos

Por
Correio do Povo

Ao centro, Colosso lança jato de água para apagar fogo

publicidade

Diante da magnitude do incêndio que destruiu parte da história e da cultura da Europa ao queimar a Catedral de Notre-Dame, os bombeiros de Paris recorreram ao robô Colossus para entrar no prédio e minimizar os riscos à vida e ao patrimônio. Foi graças à essa tecnologia que parte do tesouro sacro-histórico da construção centenária foi salva. Na manhã desta terça-feira, o tenente-coronel Gabriel Plus, porta-voz do Corpo de Bombeiros da capital francesa, anunciou que o fogo estava extinto graças. "Concentramos nosso esforço do lado de fora e removemos as pessoas que estavam envolvidas, substituindo-as por um robô que poderia apagar o fogo e reduzir a temperatura dentro da nave", comentou em entrevista coletiva em frente ao local.

• Leia mais sobre o incêndio na Catedral de Notre-Dame

Contudo, a tecnologia não substitui o trabalho humano. Ele deve ser controlado remotamente por um bombeiro, por meio de uma estação sem fio equipada com dois joysticks e uma tela de controle de parâmetros, a uma distância de até 300 metros. O modelo implantado no coração do incêndio foi projetado pela empresa francesa Shark Robotics, pesa 420 quilo e mede 1,60m de altura. Ele é capaz de transportar até meia tonelada de carga e tem uma bateria que lhe dá um alcance de no máximo seis horas. "Apenas um Colossus foi utilizado ontem, desde o início da intervenção. Ele é atualmente o único que equipa a BSPP (Brigada de Bombeiros de Paris) e foi adquirido há dois anos", explicou Cyril Kabbara, um dos fundadores da empresa.

De acordo com Kabbara, o maquinário é capaz de se mover em terrenos muito acidentados, detectar fumaça tóxica e transmitir informações por meio de sensores de temperatura e de uma câmara acoplada. Com a transferência de imagens em um tablet, o bombeiro vê o que o robô descobre e tem informações precisas para engajar ou não seus colegas para a operação. Ele já havia sido testado durante um incêndio em Choisy-le-Roi, em um estacionamento subterrâneo. "Os bombeiros engajaram o robô devido à radiação térmica com temperatura equivalente a 600 °C. O robô atuou por oito horas para limpar o caminho, apagor o fogo e registrar informações", disse.

Vídeos