Consumo de álcool atinge níveis perigosos no Reino Unido com a pandemia

Consumo de álcool atinge níveis perigosos no Reino Unido com a pandemia

Há mais homens do que mulheres que bebem em excesso, mas o aumento é proporcionalmente maior no caso das mulheres

AFP

Governo tem medo de que estes hábitos se enraízem

publicidade

O número de ingleses que consomem bebidas alcoólicas em níveis considerados perigosos para a saúde aumentou consideravelmente desde o início da pandemia, segundo dados do governo publicados nesta segunda-feira, gerando o temor de que estes hábitos se enraízem.

O departamento governamental para a melhora da saúde e a igualdade se baseou em dados do instituto de pesquisas YouGov para determinar o número de pessoas na Inglaterra com consumo de vinho, cerveja e destilados considerado de alto risco.

Em uma amostragem de 1.700 pessoas, 18,1% dos adultos – que representam quase oito milhões de pessoas em nível nacional – registravam em outubro de 2021 este tipo de consumo nos três meses anteriores.

Veja Também

Em outubro, este percentual de 2019 era de 11,9% da população adulta e de 12,4% em fevereiro de 2020, logo antes dos primeiros confinamentos na Europa. Este nível é determinado pela quantidade de álcool consumida, mas também pela frequência, o sentimento de culpa ou em consequência das atividades sociais.

Há mais homens do que mulheres que bebem em excesso, mas o aumento é proporcionalmente maior no caso das mulheres, passando de 1,6 milhão a 2,3 milhões (de 4 a 5,5 milhões no caso dos homens).

Segundo Julia Sinclair, presidente da seção sobre dependências do Colégio Real de Psiquiatras, o consumo de álcool aumentou consideravelmente durante a pandemia porque "estávamos limitados no que podíamos fazer", mas também porque "algumas pessoas que nunca bebiam, exceto quando iam a um bar, começaram a beber em casa", devido aos confinamentos.

O problema, adverte, é que isto agora "se tornou um hábito" e "alguns hábitos estão se enraizando". A pesquisadora se mostra pessimista sobre a volta aos níveis anteriores à pandemia.

"Por enquanto, os dados sugerem que as pessoas que tinham começado a beber em casa continuam e bebem também" nos bares. A isto se soma o fato de que, diferentemente do que ocorre no bar, o consumo de álcool em casa "pode durar horas", destaca.



Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895