Cuba detém 1.320 manifestantes desde mobilizações em 11 de julho, diz ONG

Cuba detém 1.320 manifestantes desde mobilizações em 11 de julho, diz ONG

Relatório revela que 698 ainda estão detidos, enquanto outros estão em prisão domiciliar ou em liberdade sob fiança

R7

De acordo com ONG, alvo das forças de segurança são manifestantes do 11 de julho

publicidade

Entre 11 de julho a 20 de dezembro foram feitas 1.320 detenções por motivos políticos em Cuba, de acordo com um relatório da ONG Cubalex, que presta assistência jurídica gratuita aos detidos. Os alvos das forças de segurança que respondem ao presidente Miguel Diaz-Canel são os cubanos que participaram das mobilizações históricas de 11J (11 de julho). 

De acordo a Cubalex, dos 1.320 detidos, 698 ainda estão presos, enquanto os outros enfrentam processos em prisão domiciliar ou estão em liberdade sob fiança. Segundo o portal Infobae, muitos enfrentam julgamentos que exigem penas que variam de um a 30 anos.

Do total de presos, 49 eram menores no momento que foram levados pelas forças de segurança. Atualmente, 14 jovens menores de idade, ou que tinham menos de 18 anos no momento da detenção, continuam privados de liberdade e em condições que violam os direitos humanos.

Veja Também

A Cubalex denunciou a situação que um dos jovens enfrenta. "Brandon Becerra, um dos menores detidos no # 11J, está há mais de uma acamado em sua cela, vomitando e, portanto, muito fraco. As autoridades se recusam a levá-lo ao hospital e ameaçam levá-lo para a cela de isolamento, caso sua mãe denuncie", revela uma publicação da ONG no Twitter.

As acusações mais repetidas contra os detidos são desordem pública, desacato, agressão e instigação à prática de um crime. De acordo com o portal Infobae, a ONG denuncia o governo por não permitir que os detidos cuidem de seus problemas de saúde e permite que a situação se agrave. “Lázaro Yuri Valle Roca, jornalista cubano, está preso há 187 dias por cobrir um acontecimento como repórter. Yuri teve insuficiência renal e está muito doente. As autoridades negaram-lhe atendimento médico”, denuncia a ONG em outra publicação. 

A Cubalex também afirma que o governo cubano ameaça processar a esposa de Roca, Eralidis Frómeta, também jornalista independente. Além disso a ONG também aponta que muitos detidos não estão autorizados a falar com suas famílias ou advogados nos primeiros dias ou semanas de detenção.



Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895