Cuba registra primeira morte em protestos contra escassez de alimentos e vacinas

Cuba registra primeira morte em protestos contra escassez de alimentos e vacinas

Segundo a Agência Cubana de Notícias, a vítima foi identificada como Diubis Laurencio Tejeda, de 36 anos.

AE

Governo lamentou a morte, mas não esclareceu as circunstâncias em que ela ocorreu

publicidade

O governo de Cuba registrou nesta terça-feira, a primeira morte relacionada aos protestos contra a escassez de alimentos e vacinas contra a Covid-19 que atingem o país desde o fim de semana. Segundo o ministério do Interior, uma pessoa morreu na segunda-feira, na periferia de Havana.

Segundo a Agência Cubana de Notícias, a vítima foi identificada como Diubis Laurencio Tejeda, de 36 anos. O governo lamentou a morte, mas não esclareceu as circunstâncias em que ela ocorreu. Mais cedo, o governo reforçou o policiamento nas ruas do país enquanto o presidente Miguel Díaz-Canel acusa os cubano-americanos de usar as redes sociais.

Cuba amanheceu sem internet móvel e com uma forte presença policial nas ruas de Havana, um dia após milhares de cubanos saírem às ruas em protesto contra o governo e a crise econômica e sanitária que atravessam. Na segunda-feira, dezenas de mulheres reunidas em frente às esquadras da polícia tentavam obter informações sobre o paradeiro de maridos, filhos e parentes presos ou desaparecidos durante as manifestações.

Veja Também

Até o momento, as autoridades não divulgaram ainda um número oficial de detenções, mas existe uma lista provisória elaborada por ativistas locais que conta com 65 nomes só em Havana. Entre os detidos há personalidades conhecidas como o artista Luis Manuel Otero Alcántara, o dissidente moderado Manuel Cuesta Morúa ou o dramaturgo Yunior García Aguilera.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895