Danos significativos em Tonga após erupção que alarmou o Pacífico

Danos significativos em Tonga após erupção que alarmou o Pacífico

Vários países isolaram praias com medo de grandes tsunamis após atividade do vulcão Hunga Tonga-Hunga Ha'apai

R7

Imagens do espaço do vulcão Hunga Tonga-Hunga Ha'apai em atividade

publicidade

A capital de Tonga sofreu danos significativos do tsunami causado por uma poderosa erupção vulcânica submarina no Pacífico, que causou alarme do Japão ao Chile, embora o risco de mais danos tenha passado. Através de imagens tiradas do espaço, foi possível observar o momento em que a última erupção do vulcão Hunga Tonga-Hunga Ha'apai lançou um cogumelo de fumaça e cinzas no ar e uma onda de choque pelo mar circundante.

A erupção foi sentida por todos. No Alasca, a 10.000 quilômetros de distância, ouviu-se um rugido poderoso, e na Escócia, nos antípodas do vulcão, a estação meteorológica de Fife registrou um salto na pressão do ar devido a esse fenômeno. Na Califórnia, a cidade de Santa Cruz foi afetada por inundações devido a um maremoto gerado por um tsunami, de acordo com vídeos compartilhados pelo Serviço Nacional de Meteorologia dos Estados Unidos.

O Peru, onde foram observadas "ondas bem grandes", segundo a Defesa Civil, fechou 22 portos por precaução e a polícia disse ter resgatado 23 pessoas na costa, sem especificar as circunstâncias.

O vulcão provocou uma onda de 1,2 metros na capital das ilhas de Tonga, Nuku'alofa, cujos habitantes se refugiaram em áreas altas deixando para trás casas inundadas com danos estruturais."O tsunami teve um impacto significativo na costa norte de Nuku'alofa, com barcos e grandes pedras levados para a praia", disse a primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, acrescentando que não há notícias até agora.

"Nuku'alofa está coberto por uma espessa camada de cinzas vulcânicas, mas as condições são calmas e estáveis", acrescentou Ardern, que enviará um avião de reconhecimento ao arquipélago. "A nuvem de cinzas causou poluição", então Tonga precisa de água, explicou.

Seu governo conseguiu entrar em contato com sua embaixada na capital tonganesa, onde as comunicações estão interrompidas, complicando a avaliação dos danos causados pelo tsunami.

"Foi uma grande explosão", disse a moradora Mere Taufa, que estava em casa preparando o jantar, ao site de notícias Stuff. "O chão tremeu, a casa inteira tremeu. Estava vindo em ondas", disse ele. "Sabíamos imediatamente que era um tsunami, com a água que entrou na casa", acrescentou.

A erupção durou oito minutos e foi tão forte que foi ouvida "como um trovão distante" nas Ilhas Fiji, a mais de 800 quilômetros de distância, disseram autoridades em Suva, a capital.

Em Tonga, as autoridades pediram que as pessoas fiquem longe de praias, recifes e costas planas e usem máscaras ao ar livre.

A ameaça 'passou'

A poderosa erupção causou uma cascata de alertas em todo o Oceano Pacífico: Nova Zelândia, Fiji, Vanuatu, Austrália, Estados Unidos, Japão, Equador, Chile, entre outros, embora na maioria dos lugares não tenham ocorrido grandes acidentes.

Durante a madrugada desde domingo, o Centro de Alerta de tsunami do Pacífico enviou uma notificação para observar que "com base nos dados disponíveis, a ameaça de tsunami desta erupção vulcânica passou".

O fenômeno causou uma onda de 1,2 metro na remota ilha japonesa de Amami e um tsunami menor em outras partes da costa. No outro extremo do Pacífico, no Chile, as ondas atingiram entre 30 centímetros e um metro. Todas as praias do país, onde milhares de chilenos aproveitaram o verão no sul, foram evacuadas enquanto os banhistas recebiam alertas estridentes em seus telefones.

No Equador, foram registradas "perturbações significativas no nível do mar" de até meio metro, e o Peru também relatou pequenas inundações em algumas cidades costeiras e "ondas anômalas" que levaram ao fechamento de 22 portos por precaução.

Na Austrália, autoridades disseram que partes do litoral, incluindo Sydney, podem ser atingidas por ondas. Os moradores do estado vizinho de Nova Gales do Sul também foram aconselhados a "sair da água e longe da costa".

O Serviço Nacional de Meteorologia dos EUA também emitiu alertas de tsunami para a Costa Oeste, da Califórnia ao Alasca, prevendo ondas de até 60 centímetros, fortes correntes e inundações costeiras. O Canadá também colocou a província de British Columbia em alerta.

O chefe da diplomacia norte-americana, Antony Blinken, estava preocupado com as consequências da dupla catástrofe em Tonga e assegurou que o seu país "está preparado para prestar apoio aos nossos vizinhos do Pacífico".

Veja Também



Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895