Diálogo com a Coreia do Norte vai continuar, diz Trump

Diálogo com a Coreia do Norte vai continuar, diz Trump

Coreia do Norte anunciou nesta quinta que testou com sucesso um "novo tipo" de míssil balístico lançado de um submarino

AFP

Presidente americano, Donald Trump, disse nesta quinta-feira que os Estados Unidos continuam comprometidos com o diálogo sobre o programa nuclear da Coreia do Norte

publicidade

O presidente americano, Donald Trump, disse nesta quinta-feira que os Estados Unidos continuam comprometidos com o diálogo sobre o programa nuclear da Coreia do Norte, apesar do mais recente teste de mísseis de Pyongyang. "Querem conversar e nós conversaremos com eles", disse Trump a repórteres na Casa Branca, em sua primeira reação pública ao anúncio da Coreia do Norte do que chamou de "nova fase" em seu arsenal. "Vamos ver", acrescentou Trump quando perguntado se Pyongyang havia ido longe demais com esse teste de mísseis.

A Coreia do Norte anunciou nesta quinta que testou com sucesso um "novo tipo" de míssil balístico lançado de um submarino, o teste mais significativo desde que Pyongyang começou a dialogar com Washington em 2018 para abandonar suas armas nucleares. As negociações entre Washington e Pyongyang estão em ponto morto desde o fiasco da segunda cúpula entre Trump e o líder norte-coreano Kim Jong Un, em fevereiro, em Hanói.

Uma equipe de negociadores norte-coreanos partiu para Estocolmo nesta quinta-feira. Kim Myong Gil, um dos principais negociadores da Coreia do Norte, é acompanhado por três outras autoridades de seu país, segundo a agência de notícias sul-coreana Yonhap. As discussões, que supostamente reviverão o processo diplomático, devem começar no fim de semana na Suécia, em um local ainda não anunciado.

Pyongyang tem aumentado os disparos de mísseis de curto alcance desde julho, descritos como "provocações" pelas autoridades americanas, mesmo que Trump tenha sido muito mais conciliatório. A Coreia do Norte é proibida de lançar mísseis balísticos por resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895