Diretor de entidade de direitos-humanos tem entrada barrada em Hong Kong
capa

Diretor de entidade de direitos-humanos tem entrada barrada em Hong Kong

Keneth Roth pretendia concluir relatório anual e mostrar infrações do governo chinês nos protestos locais

Por
AFP

Protestos seguem no país há mais de sete meses, em meio à repressão

publicidade

As autoridades de Hong Kong - região administrativa da China - negaram neste domingo a entrada do diretor-executivo da Human Rights Watch (HRW), Keneth Roth. A informação foi confirmada pela própria organização não governamental de direitos humanos. Kenneth Roth planejava concluir esta semana o relatório anual da organização.

O informativo, irá "destacar a intensificação do ataque do governo chinês ao sistema internacional de direitos humanos". A decisão de impedir a entrada de Kenneth Roth surge após Pequim ter prometido, em dezembro último, que iria aceitar as organizações que, segundo as autoridades chinesas, tinham "realizado um mau trabalho" em relação aos protestos antigovernamentais que agitam Hong Kong há mais de sete meses.

Human Rights Watch, the National Endowment for Democracy e Freedom House constavam entre as organizações mencionadas por Pequim.