Emirados Árabes acusam Catar de interceptar avião comercial

Emirados Árabes acusam Catar de interceptar avião comercial

Países são considerados "irmãos inimigos"

AFP

publicidade

Os Emirados Árabes Unidos (EAU) afirmaram nesta segunda-feira que aviões de caça do Catar interceptaram um avião de passageiros emiradense que se dirigia hoje para o Bahrein. Doha desmentiu a acusação imediatamente, em uma nova escalada de tensão entre as duas nações inimigas no Golfo. Este incidente aéreo é uma "ameaça flagrante para a segurança da aviação civil e uma clara violação da lei internacional", afirmou a Autoridade Geral de Aviação Civil dos Emirados Árabes Unidos em um comunicado.

O Catar negou, porém, que seus aviões tenham interceptado algum voo de passageiros. "É totalmente falso", declarou o porta-voz do Ministério catariano das Relações Exteriores, Lulwa al-Khater, em sua conta no Twitter. Em duas oportunidades nos últimos dias, o Catar afirmou que aviões militares dos Emirados Árabes violaram seu espaço aéreo. Primeiro, em 21 de dezembro, e depois em 3 de janeiro.

As relações entre os dois países - considerados "irmãos inimigos" no Golfo - atravessam um de seus piores momentos. No domingo, a emissora Al-Jazeera divulgou um vídeo, em que um membro da família real do Catar afirmava estar retido contra sua vontade nos Emirados Árabes. Abdullah ben Ali Al-Thani disse no vídeo que estava em Abu Dhabi, "onde era hóspede do xeque Mohamed ben Zayed", mas que, agora, estava retido contra sua vontade. "Quero dizer claramente que o povo do Catar é inocente", e que o "xeque Mohamed terá absoluta responsabilidade pelo que poderá me acontecer de agora em diante", acrescentou.

Al-Thani tinha tentado, em agosto, fazer uma mediação entre Doha e Arábia Saudita, outro país do Golfo que boicota o Catar, devido à peregrinação anual a Meca. Por ora, a autenticidade do vídeo divulgado pela Al-Jazeera não pôde ser confirmada. Os Emirados Árabes negaram que o xeque estivesse retido contra sua vontade, como reportou a agência Wam, assinalando que o mesmo é um "hóspede do país, após fugir das restrições a ele impostas pelo governo do Catar".

Em 5 de junho passado, Arábia Saudita, Emirados Árabes, Bahrein e Egito romperam relações diplomáticas com o Catar, acusando o país de apoiar os grupos extremistas e se aproximar do Irã, grande rival dos sauditas. O xeque Abdullah pertence a um braço da família real do Catar Al-Thani que foi afastado do poder pelo avô do atual emir, xeque Tamim.

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895