Equador não contratará Odebrecht até ressarcimento de desvios
capa

Equador não contratará Odebrecht até ressarcimento de desvios

Declaração foi feita em rede nacional pelo presidente do país

Por
AFP

Moreno foi detido em 2017 pelo recebimento de US$ 13,5 milhões em suborno

publicidade

O governo do Equador não contratará a Odebrecht até que o grupo brasileiro repare os prejuízos que causou com seu esquema de subornos para obter obras públicas no país, informou nesta quinta-feira o presidente equatoriano, Lenín Moreno. "Enquanto eu for presidente, a companhia Odebrecht não firmará qualquer contrato com o governo equatoriano", declarou Moreno em rede nacional de televisão.

O presidente destacou que seu governo "exigiu da empresa Odebrecht a plena reparação de todos os prejuízos que causou com seus atos de corrupção", que provocaram a prisão de Jorge Glas - vice-presidente de Rafael Correa (2013-2017) e do próprio Moreno - detido desde 2017 por receber por 13,5 milhões de dólares em subornos da construtora.

A Procuradoria Geral e a secretaria Contra a Corrupção negociam com a Odebrecht um mecanismo de reparação ao país. Moreno também exigiu que os funcionários do grupo "colaborem com a Justiça, que contribuam para se chegar à verdade", para recuperação dos valores.