Estados Unidos deixam de considerar que colônias israelenses violam o direito internacional

Estados Unidos deixam de considerar que colônias israelenses violam o direito internacional

Israel saudou posicionamento e disse que medida conserta erros históricos

Correio do Povo e AFP

Palestinoe a maior parte do mundo dizem que os assentamentos minam as esperanças de uma solução de dois estados

publicidade

Em uma mudança na sua política externa e que pode condenar qualquer esforço de paz com o povo palestino, os Estados Unidos anunciaram nesta segunda-feira que não consideram mais que as colônias israelenses em territórios ocupados sejam "incompatíveis com o direito internacional". ""A conclusão que não reconheceremos mais como inconsistente com o direito internacional se baseia em fatos, história e circunstâncias únicos impedidos pelo estabelecimento de assentamentos civis na Cisjordânia", disse o secretário de Estado, Mike Pompeo, acrescentando que "chamar o estabelecimento de assentamentos civis inconsistentes com o direito internacional não avançou a causa da paz".

"A dura verdade é que nunca haverá uma solução judicial para o conflito, e argumentos sobre quem está certo e quem está errado por uma questão de direito internacional não trarão paz", disse, após garantir que o governo "cuidadosamente" estudou todos os lados do debate jurídico em torno da posição. Para ele, os tribunais israelenses estão preparados para resolver disputas sobre a legalidade de assentamentos individuais, mas também alertou que a mudança de política não deve ser vista como os EUA "prejudicando o status final da Cisjordânia". Isso, ele disse, "é para os israelenses e palestinos negociarem".

No passado, os Estados Unidos descreveram os assentamentos como ilegítimos, e os palestinos exigiram a terra para um estado futuro, uma meta apoiada pela comunidade internacional. Mas o presidente Trump tem sido persistente na guida pró-Israel nos territórios palestinos – medidas destinadas a aumentar o apoio político ao primeiro-ministro Benjamin Netanyahu. Este novo ato é uma reversão do governo Obama, que em dezembro de 2016 permitiu ao Conselho de Segurança das Nações Unidas adotar uma resolução declarando a atividade de liquidação uma "flagrante violação" do direito internacional sem "validade legal".

Pompeo enquadrou a decisão como uma forma de confrontar uma inconsistência na política dos EUA, observando que após o parecer jurídico de 1978 sobre os assentamentos, conhecido como Memorando Hansell, o presidente Ronald Reagan discordou da posição apenas três anos depois. O Memorando foi a base de mais de 40 anos de oposição cuidadosamente formulada por Washingotn à construção de assentamentos que variaram em seu tom e força, dependendo da posição do presidente. Isso se baseia em parte na Quarta Convenção de Genebra, que proíbe o poder ocupante de transferir partes de sua própria população civil para o território ocupado.

Antes, Trump já havia reconhecido oficialmente as contestadas Colinas de Golã como território israelense. Em dezembro de 2017, ele também reconheceu formalmente Jerusalém como capital de Israel e ordenou que a Embaixada dos Estados Unidos se mudasse para lá de Tel Aviv, uma decisão simbólica que ultrajou os palestinos que também reivindicam território na cidade. 

Conserto de erro histórico

Netanyahu afirmou nesta segunda-feira que a decisão dos Estados Unidos "conserta um erro histórico". "Esta política reflete uma verdade histórica, que o Povo judeu é (formado por) colonos estrangeiros na Judeia e em Samaria. Na verdade, nos chamamos judeus porque somos a gente de Judeia", informou o comunicado, que empregou o termo bíblico da Cisjordânia.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895