Estados Unidos reduz voos para toda Cuba, exceto Havana
capa

Estados Unidos reduz voos para toda Cuba, exceto Havana

Secretário de Estado disse que medida afetará capacidade de regime cubano obter receita

Por
AFP

Secretário de Estado disse que medida afetará capacidade de regime cubano obter receita

publicidade

Os Estados Unidos reduziram nesta sexta-feira drasticamente os voos autorizados a ir a Cuba, na tentativa de diminuir as receitas do turismo para a ilha comunista. O secretário de Estado, Mike Pompeo, disse que os voos fretados só poderão se dirigir a Havana, e não a outros aeroportos - um passo já dado nos no caso de voos comerciais. "A medida de hoje evitará que o regime cubano se beneficie dos serviços charter ampliados após a decisão de 25 de outubro de 2019, que suspendeu o serviço aéreo comercial para aeroportos de Cuba exceto o de Havana". "As restrições afetarão ainda mais a capacidade do regime cubano de obter receita, que usa para financiar sua repressão contínua ao povo cubano e seu apoio desmedido ao ditador Nicolás Maduro na Venezuela", afirmou Pompeo.

O departamento de Estado destacou que a proibição de voos charter afeta nove aeroportos em Cuba, e anunciou um prazo de 60 dias para que as companhias que oferecem estas viagens suspendam suas operações. O órgão revelou ainda que emitirá um decreto limitando o número de voos charter permitidos dos Estados Unidos para o Aeroporto Internacional José Martí, de Havana. "Ao suspender os voos fretados para esses nove aeroportos cubanos, os Estados Unidos impedem ainda mais o regime cubano de obter acesso a moeda forte dos viajantes dos Estados Unidos".

O presidente Donald Trump inverteu drasticamente a política de abertura em relação a Cuba estabelecida por seu antecessor Barack Obama. Cuba, que nega tais afirmações e considera que as sanções violam os direitos de seus cidadãos, repudiou a nova decisão. "Rejeito energicamente a nova proibição do governo dos #EEUU de voos charter para #Cuba exceto #Havana e a restrição do número para este. É grave violação dos direitos humanos, da liberdade de viajar de americanos e impede a reunificação familiar. #CubaVsBloqueo", tuitou o chanceler cubano, Bruno Rodríguez.