Estudo aponta que plasma de recuperados pode reduzir mortes por Covid-19

Estudo aponta que plasma de recuperados pode reduzir mortes por Covid-19

Pesquisa foi realizado pelo infectologista argentino Fernando Polack

AFP

Estudo diz que em todos os pacientes a incidência da doença grave foi cortada pela metade

publicidade

A administração de plasma de convalescente a pacientes com Covid-19 nas primeiras 72 horas da doença reduz pela metade o risco de quadro crítico, concluiu um estudo liderado pelo infectologista argentino Fernando Polack e publicado pelo The New England Journal of Medicine. "É uma alternativa se alguém com mais de 65 anos se infectar. Mas é como um seguro-saúde, você tem que ter quando ainda está saudável, porque não há tempo a esperar e ver o que acontece: se você está mal, o plasma é inútil", resumiu Polack.

O estudo recém-publicado na revista científica aborda os resultados da administração precoce de plasma com alto teor de anticorpos para prevenir formas graves da Covid-19 em adultos mais velhos. Com base nos resultados, "o estudo diz que em todos os pacientes a incidência da doença grave foi cortada pela metade", indicou. "Temos certeza de que o plasma é útil nos primeiros três dias de doença, ou seja, você tem (um prazo de) 72 horas de sintomas para recebê-lo", disse o cientista à Rádio Con Vos nesta quinta-feira.

Polack explicou que os resultados dependem da quantidade de anticorpos presentes no plasma. "Os melhores provedores são os pacientes que foram hospitalizados porque têm mais anticorpos e as pessoas que foram vacinadas", disse ele, definindo estas últimas como "doadores privilegiados em potencial". "Em uma sociedade desamparada contra o coronavírus, ser vacinado significa estar protegido e também ter a possibilidade de doar plasma, o que significa seis tratamentos para seis idosos para cada pessoa que doa duas vezes no mês", disse.

Veja Também

Polack liderou a equipe de cientistas da Fundação Infant, criada por ele em 2003 para estudar doenças respiratórias infantis, que realizou o estudo em colaboração com hospitais públicos e instituições privadas entre junho e outubro de 2020. O estudo envolveu 200 doadores de plasma e 120 pacientes voluntários, metade tratados com placebo, bem como mais de 200 profissionais da saúde.

No entanto, a Argentina não tem atualmente capacidade para aplicar este tratamento em seu sistema de saúde. "Hoje não existe, é algo em construção dentro do sistema público e privado. É preciso gerar um arsenal (de plasma) que será uma ponte até que haja uma vacina para a maior parte da população", explicou Polack. Quando isso acontecer, "nada disso vai importar. Existe plasma para sarampo, catapora, hepatite, mas ninguém ouve sobre isso porque existe uma vacina".

A Argentina iniciou sua campanha de vacinação contra a covid-19 em 29 de dezembro, com a russa Sputnik V. Também aprovou a da Pfizer-BioNTech e a da AstraZeneca/Oxford. Até agora, o país sul-americano soma 1,67 milhão de infecções e quase 44 mil mortes por Covid-19. 


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895