EUA acusam China de usar o novo coronavírus para expandir influência regional

EUA acusam China de usar o novo coronavírus para expandir influência regional

Departamento de Estado pediu que Pequim "pare de se beneficiar do fato de outros Estados estarem ocupados ou vulneráveis"

AFP e Correio do Povo

Um voluntário pulveriza desinfetante em uma escola nos preparativos para os alunos retornarem após o atraso na abertura do prazo devido ao surto de coronavírus

publicidade

Os Estados Unidos acusaram nesta segunda-feira a China de tentar "se beneficiar" da situação criada pelo novo coronavírus para "expandir" sua influência regional. O Departamento de Estado norte-americano pediu a Pequim que "permaneça concentrado em apoiar os esforços internacionais para combater a pandemia e pare de se beneficiar do fato de outros Estados estarem ocupados ou vulneráveis para expandir suas pretensões territoriais ilegais no mar da China Meridional", declarou em comunicado a porta-voz da diplomacia, Morgan Ortagus.

Na última quinta-feira, a o govero chinês acusou um barco de pesca vietnamita de bater em um navio da guarda costeira em águas disputadas no mar do Sul da China. O incidente, que aconteceu por volta da meia-noite da quinta-feira, alimentou as tensões entre os dois lados, com o Vietnã culpando a China pelo incidente e apresentando um protesto oficial.

"Estamos muito preocupados com informações de que a República Popular da China afundou um barco de pesca vietnamita nas proximidades das ilhas Paracel, no mar da China Meridional. Este incidente é o mais recente de uma longa série de ações da República Popular da China para reivindicar direitos marítimos indevidos e prejudicar seus vizinhos do sudeste asiático", afirmou Ortagus.

Washington há muito tempo acusa Pequim de militarizar esse mar para ampliar sua influência. A guarda costeira disse em comunicado on-line na sexta-feira que o navio de pesca vietnamita QNG90617 estava pescando ilegalmente em águas próximas às Ilhas Paracel e se recusou a sair depois de repetidos avisos.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895