EUA e Coreia do Norte tentam retomar o diálogo sobre programa nuclear

EUA e Coreia do Norte tentam retomar o diálogo sobre programa nuclear

Equipes de ambos países se reuniram em uma ilha sueca, cujo acesso era controlado pela polícia

AFP

Emissário norte-coreano disse ter "grandes expectativas" nas negociações

publicidade

Representantes da Coreia do Norte e dos Estados Unidos devem iniciar consultas sobre a questão nuclear norte-coreana neste sábado, após meses de paralisia e apesar da nova escalada de Pyongyang com testes de mísseis. Os emissários norte-coreanos Kim Myong Gil e o americano Stephen Biegun, enviado especial do presidente Donald Trump, fazem parte das equipes que participam dessas reuniões, promovidas pelo vice-sueco Kent Härstedt. As duas delegações tiveram que se reunir em uma propriedade localizada em uma ilha na capital sueca, cujo acesso era controlado pela polícia, a poucas centenas de metros da embaixada norte-coreana, segundo um jornalista da AFPTV. Outras reuniões deste nível sobre desarmamento nuclear norte-coreano já foram realizadas em Estocolmo, em março de 2018 e janeiro de 2019.

Em uma escala em Pequim antes de partir para a Suécia, Kim Myong Gil disse ter "grandes expectativas" nessas negociações e se declarou "otimista". O governo dos EUA queria retomar o diálogo com a Coreia do Norte o mais rápido possível, parado desde o fracasso da cúpula de Hanói no final de fevereiro, entre Donald Trump e o líder norte-coreano Kim Jong Un. Finalmente, na terça-feira, a diplomacia norte-coreana anunciou que as negociações seriam retomadas neste fim de semana, o que os Estados Unidos confirmaram rapidamente.

Mas 24 horas após essa mensagem positiva, a Coréia do Norte lançou um novo míssil balístico terrestre, depois de multiplicar os testes de mísseis de curto alcance nos últimos meses. Na quinta-feira, a agência oficial norte-coreana explicou que esse "novo tipo de míssil balístico", apresentado como um Pukguksong-3, foi lançado de um submarino "das águas perto da baía de Wonsan" e anunciou uma "nova fase de contenção" da "ameaça de forças externas ". Este último teste é a maior provocação de Pyongyang desde o início dos conflitos com os Estados Unidos em 2018.

Washington reafirmou na quinta-feira que esses testes "foram inutilmente provocativos" e "não prepararam o terreno para a diplomacia". No entanto, Donald Trump, que busca obter uma vitória no nível diplomático, decidiu responder positivamente aos norte-coreanos. "Eles querem negociar e queremos negociar com eles em breve", disse o presidente dos Estados Unidos.

França, Reino Unido e Alemanha pediram uma reunião a portas fechadas do Conselho de Segurança da ONU, que deve ser realizada no início desta semana, para manter a pressão em Pyongyang depois do que eles consideram uma "violação grave" resoluções da ONU. A Coreia do Norte está sujeita a três tipos de sanções econômicas adotadas pela ONU em 2017, para forçá-la a interromper seus programas de armas nucleares e balísticos. Essas medidas dizem respeito principalmente às limitações e proibições de importação de petróleo relacionadas às exportações norte-coreanas de carvão, pesca ou têxtil.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895