EUA faz disparos de advertência contra barcos iranianos no Estreito de Ormuz

EUA faz disparos de advertência contra barcos iranianos no Estreito de Ormuz

Embarcações se aproximavam de um submarino dos Estados Unidos

AFP

Assédio de barcos iranianos é constante na região, segundo Pentágono

publicidade

Um navio da Marinha dos Estados Unidos disparou tiros de advertência contra navios de ataque iranianos que se aproximavam de um submarino dos EUA e seus navios de escolta no Estreito de Ormuz, informou o Pentágono. No segundo desses incidentes em duas semanas, 13 barcos rápidos da Marinha da Guarda Revolucionária Islâmica abordaram sete navios da Marinha dos EUA em alta velocidade. Quando estavam a 137 metros de distância, um dos navios americanos lançou dois disparos de 30 tiros até que se afastaram, disse John Kirby, porta-voz do Pentágono.

"Infelizmente, o assédio por parte do IRGC-N não é um fenômeno novo", disse Kirby. "Não é seguro, não é profissional. É o tipo de atividade que pode levar a uma lesão e pode levar a um verdadeiro erro de cálculo na região", afirmou.

"Isso não serve aos interesses de ninguém", disse o oficial, que informou que as ações iranianas ocorreram no Estreito de Ormuz, onde os navios têm pouco espaço para se mover. "É uma hidrovia internacional e, claro, quando você está no estreito, há certos limites para sua capacidade de manobra", explicou.

Quando questionado se os navios americanos podem atirar diretamente contra navios iranianos e afundá-los, Kirby se recusou a descrever suas regras de combate. No entanto, acrescentou, "têm direito à legítima defesa e sabem como fazê-lo".

No final de abril, três barcos de patrulha costeira e de ataque rápido iranianos dispararam tiros de alerta ao se aproximarem de dois navios americanos em águas internacionais na parte norte do Golfo Pérsico, de acordo com a Marinha dos EUA.

No início do mesmo mês, quatro navios da Guarda Revolucionária - três navios de ataque rápido e um grande catamarã Harth 55 - se aproximaram de forma semelhante de dois barcos de patrulha da Guarda Costeira dos EUA, cruzando na frente da proa sem dar atenção aos avisos. Não houve troca de tiros naquele encontro.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895