capa

Facebook diz que removeu rapidamente vídeo de ataque a mesquitas

Empresa ofereceu condolências às vítimas e anunciou eliminação de contas do atirador

Por
AFP

Facebook disse estar trabalhando na remoção de quaisquer manifestações de apoio ao crime

publicidade

O Facebook disse nesta sexta-feira que rapidamente removeu o vídeo do ataque a mesquitas em Christchurch, Nova Zelândia, transmitido ao vivo pelo terrorista através rede social e ofereceu suas condolências às vítimas.

"A polícia nos alertou sobre um vídeo no Facebook logo após o início da transmissão ao vivo e rapidamente eliminamos as contas do Facebook e do Instagram do atirador, bem como o vídeo", afirmou o grupo no Twitter.

"Também estamos eliminando qualquer elogio ou apoio a esse crime ou ao (s) atirador (es)", acrescenta o tuíte. "Nossos pensamentos estão com as vítimas, suas famílias e a comunidade afetada pelos terríveis tiroteios na Nova Zelândia", afirma ainda.

O atentado contra duas mesquitas da cidade neozelandesa de Christchurch deixou pelo menos 49 pessoas mortas e, segundo as autoridades locais, um dos autores foi identificado como um extremista australiano. Os ataques na cidade da Ilha Sul também deixaram 20 pessoas gravemente feridas, informou a primeira-ministra Jacinda Ardern.

Líderes mundiais prestaram condolências aos familiares das vítimas nesta sexta-feira. Através do Twitter, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, classificou atentado como um "horrivel massacre".
 

 

Em comunicado oficial, a Rainha Elizabeth II se declarou "profundamente" triste com atentado e, junto com príncipe Philip, enviou condolências às famílias e amigos das vítimas.