Família de turistas que morreu no Chile será sepultada em Santa Catarina

Família de turistas que morreu no Chile será sepultada em Santa Catarina

Velório das seis vítimas ocorre em um ginásio na cidade de Biguaçu

Correio do Povo

Dois voos chegaram com os corpos na noite de segunda-feira no Floripa Airport

publicidade

O velório coletivo da família de turistas que morreu em um apartamento em Santiago, no Chile, após inalação de monóxido de carbono, ocorrerá ao longo desta terça-feira no Ginásio de Esportes da Univali, em Biguaçu, em Santa Catarina. Segundo o jornal Notícias do Dia, o ato fúnebre, com os caixões posicionados lado a lado, teve cerimônia fechada antes de ser aberto ao público.

O sepultamento das vítimas está marcado às 16h no cemitério local. Os corpos do casal Fabiano de Souza, 41 anos, e Débora Muniz Nascimento de Souza, 38 anos, junto com os filhos Karoliny Nascimento de Souza, 14 anos, e Felipe Nascimento de Souza, 13 anos, além do casal de tios das crianças, Jonathas Nascimento, 30 anos, e Adriane Kruger, 27 anos, chegaram na noite de segunda-feira ao Floripa Airport-Aeroporto Internacional de Florianópolis em dois voos da Latam. Seis carros funerários foram escoltados pela Polícia Rodoviária Federal até Biguaçu.

Conforme o jornal Notícias do Dia, a família morreu no interior de um apartamento em Santiago, no Chile, onde estava a passeio para comemorar o aniversário de 15 anos de Karoliny. Conforme a reportagem, o advogado da família das vítimas, Mirivaldo Aquino de Campos, confirmou que a inalação do monóxido de carbono foi a causa da morte de todos. No entanto, a perícia chilena ainda não descobriu a origem do gás. O apartamento alugado fica localizado na rua Santo Domingo, distante doze quadras do Palácio de la Moneda. O prédio foi construído em 1965 e possui três fontes de gás para aquecimento.



Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895