FBI oferece 75 mil dólares por dados sobre suspeito de plantar bombas na invasão do Capitólio

FBI oferece 75 mil dólares por dados sobre suspeito de plantar bombas na invasão do Capitólio

As investigações se concentram em parte no tênis de basquete usado pelo suspeito no episódio

AFP

As investigações se concentram em parte no tênis de basquete usado pelo suspeito no episódio

publicidade

O FBI aumentou para US$ 75.000 na quinta-feira sua recompensa pelos dados sobre o suspeito de plantar duas bombas tubulares durante o ataque de 6 de janeiro ao Capitólio nos Estados Unidos. Acredita-se que a pessoa, vista no vídeo de segurança usando um moletom cinza largo, luvas pretas e o rosto coberto por uma máscara, tenha plantado esses artefatos explosivos improvisados nos escritórios dos Partidos Democrata e Republicano perto do Capitólio.

As bombas não explodiram, mas são consideradas uma indicação do possível planejamento e gravidade da ameaça insurrecional ao Congresso dos EUA por partidários do então presidente Donald Trump. Alguns analistas, incluindo o ex-chefe da Polícia do Capitólio, suspeitam que as bombas podem ter sido projetadas como uma distração intencional para desviar as forças de segurança e que os invasores podem invadir o prédio do Capitólio.

O FBI (polícia federal) ofereceu até agora uma recompensa de US$50.000 por pistas sobre a identidade da pessoa. As investigações se concentraram em parte no tênis de basquete um tanto incomum usado pelo suspeito, o modelo Air Max Speed Turf da Nike.

Veja Também

Centenas de pessoas podem ser processadas pelo ataque de 6 de janeiro. Naquele dia, os apoiadores de Trump invadiram o Congresso para impedir a certificação de vitória de Joe Biden, alegando que havia fraude na eleição de novembro. Mas o golpe fracassou e o democrata foi empossado na quarta-feira como 46º presidente dos Estados Unidos. Trump, por sua vez, foi acusado pela Câmara dos Representantes de encorajar o ataque e está aguardando um julgamento político por "incitar a insurreição".

Até agora, o governo federal apresentou acusações contra 117 pessoas envolvidas na apreensão, de acordo com uma contagem do Programa de Extremismo da Universidade George Washington. Muitos foram identificados por postagens nas redes sociais, vídeos que gravaram sobre o ataque e postaram online e conselhos de especialistas em ativismo de extrema direita.

Segundo dados do Programa de Extremismo, entre os acusados estão 102 homens e 15 mulheres de 35 estados e da capital federal Washington. A maioria deles foi acusada de entrada ilegal no Capitólio e conduta violenta, mas alguns também foram acusados de agressão e outros crimes.

As acusações para alguns podem ficar mais sérias: três pessoas foram acusadas de conspiração no ataque de terça-feira. Os três, associados ao violento grupo de extrema-direita Oath Keepers, "planejaram ... invadir à força o Capitólio dos Estados Unidos", de acordo com documentos judiciais.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895