Foguete da SpaceX decola com quatro astronautas rumo à ISS

Foguete da SpaceX decola com quatro astronautas rumo à ISS

Nave comercial é a nova alternativa da Nasa, além das cápsulas russas

AFP

Foguete reutilizável decolou com sucesso

publicidade

Três astronautas norte-americanos e um japonês decolaram neste domingo dos Estados Unidos rumo à Estação Espacial Internacional (ISS, sigla em inglês) a bordo de um foguete da empresa SpaceX, novo sistema de transporte espacial da Nasa, após nove anos de dependência da Rússia. O foguete Falcon 9 decolou sem falhas, do Centro Espacial Kennedy, na Flórida, iluminando a paisagem noturna. A bordo da cápsula acoplada com a parte superior iam Michael Michael Hopkins, Victor Glover, Shannon Walker e Soichi Noguchi.

Menos de três minutos após a decolagem, a uma altitude de 90 quilômetros, e enquanto o foguete voava a 7000 km/h, o primeiro nível da nave se desprendeu para voltar à Terra, uma vez que será usado em uma missão prevista para 2021, que levará outros quatro astronautas à ISS. O segundo nível seguiu seu curso, segundo a empresa.

A viagem levará 27 horas e meia e a cápsula Dragon deverá acoplar com a ISS por volta das 4h de terça-feira. Dois russos e um norte-americano estão na estação, onde os tripulantes permanecerão por seis meses.

Veja Também

Este voo "operacional" dá continuidade à bem-sucedida missão de demonstração realizada de maio a agosto, na qual dois astronautas americanos foram levados para a ISS e, depois, trazidos com segurança para a Terra pela SpaceX. O vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, presenciou do centro espacial o lançamento. "Bem-vindos à continuação de uma nova era de exploração espacial tripulada nos Estados Unidos", declarou mais cedo.

A cápsula Dragon da SpaceX é, hoje, o segundo dispositivo capaz de chegar à ISS, ao lado da bastante confiável Soyouz russa. Esta última leva todos os visitantes à estação desde 2011, depois que os Estados Unidos interromperam seus voos tripulados há nove anos. Um segundo ônibus espacial, fabricado pela Boeing, pode entrar em atividade em um ano.

A Nasa espera, no entanto, continuar cooperando com a Rússia. Para isso, a agência propôs facilitar lugares para seus cosmonautas em missões futuras e pretende que os norte-americanos continuem a usar a Soyouz regularmente. As negociações se arrastam, porém. "Queremos uma troca de lugares", disse o administrador da Nasa, Jim Bridenstine, em entrevista coletiva na sexta-feira. "As conversas estão em andamento", limitou-se a dizer, como vem fazendo há meses.

A realidade é que os laços entre Washington e Moscou no âmbito espacial - um dos raros setores onde continuavam sendo bons - estão-se enfraquecendo. Rompendo com mais de 20 anos de cooperação para a ISS, a Rússia não participará da próxima miniestação idealizada pela Nasa em torno da Lua, a Gateway. O diretor da agência espacial russa (Roskosmos), Dmitri Rogozine, ironizou em 2014 a necessidade de os Estados Unidos usarem um "trampolim" para chegar à ISS.

Elon Musk, o polêmico presidente da SpaceX, não esqueceu a provocação e respondeu em maio: "O trampolim funciona". Além de se tornar a transportadora preferida da Nasa, a empresa de Musk também é líder no mercado de lançamentos de satélites privados, obrigando a Rússia a rever seu ultrapassado programa espacial.

 

 


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895