Furacão Dorian deixa rastro de destruição e morte nas Bahamas
capa

Furacão Dorian deixa rastro de destruição e morte nas Bahamas

Fenômeno segue lentamente para a costa sudeste dos EUA

Por
AFP

Fenômeno deixou ao menos sete mortes nas Bahamas

publicidade

O furacão Dorian avançava lentamente em direção à costa sudeste dos Estados Unidos como uma tempestade perigosa de categoria 2, após deixar um rastro de morte e destruição nas Bahamas. O primeiro-ministro do arquipélago do Caribe, Hubert Minnis, informou à imprensa que até o momento foram registradas sete mortes. Um boletim anterior divulgado pelo governo indicava cinco falecimentos. "Podemos antecipar que teremos mais vítimas fatais", afirmou Minnis.

O Centro Nacional de Furacões (NHC) americano, com sede em Miami, informou em boletim que o centro da tempestade "avançará perigosamente para a costa leste da Flórida e a costa da Geórgia na quarta-feira à noite". Imagens aéreas da ilha Grande Ábaco emitidas pela CNN mostram cenas de danos catastróficos, com centenas de casas sem teto, carros virados, enormes inundações e escombros por todos os lados. "Esta é uma crise de proporções épicas, talvez a pior que já vivemos", disse Dames.

As pistas do Aeroporto Internacional de Grand Bahama, em Freeport, estavam debaixo d'água, complicando os esforços de resgate. O site Bahamas Press publicou um vídeo da inundação do Rand Memorial Hospital de Freeport, e disse que os pacientes tiveram que ser evacuados.

A Guarda Costeira dos Estados Unidos enviou helicópteros MH-60 Jayhawk à ilha Andros, no sul do arquipélago, para ajudar com as tarefas de busca e resgate, enquanto os moradores presos em suas casas inundadas faziam chamados desesperados. "Quem puder me ajudar, sou Kendra Williams. Vivo em Heritage. Estamos debaixo d'água; estamos no telhado", escreveu uma residente de Grand Bahama, em um SMS que a AFP teve acesso. "Alguém pode por favor nos ajudar (...) Eu e meus seis netos e meu filho estamos no telhado", acrescentou.

Segundo um primeiro boletim da Cruz Vermelha, cerca de 13 mil casas podem ter sido danificadas ou destruídas, e o furacão causou "danos consideráveis" nas ilhas Ábaco e Grand Bahama. Pelo menos 61 mil pessoas estariam precisando de ajuda alimentar nas Bahamas, estimou a ONU nessa terça, que se prepara para enviar duas equipes de avaliação.

Em declaração nesta quarta-feira, o Papa Francisco pediu aos fiéis católicos que rezem pelas vítimas dos furacões nas Bahamas que "perderam tudo". "Gostaria de convidar todos a rezarem pelas vítimas do furacão nas Bahamas, gente que em um único dia perdeu sua casa, perdeu tudo, inclusive a vida" disse após saudar os jornalistas no avião rumo a Moçambique. "Que todos rezem por esses irmãos e irmãs que sofrem por esses furacões nas Bahamas", acrescentou.

Extremamente perigoso

Ken Graham, diretor NHC, disse na terça-feira que Dorian começou a se mover após "permanecer em estado estacionário por mais de 24 horas atingindo as Bahamas". O furacão, que deixava 760 mm de chuvas no arquipélago, caiu na terça-feira para categoria 2, em uma escala máxima de 5, com ventos de 175 km/h, mas continua sendo extremamente perigoso.

Na Flórida, os efeitos de Dorian já eram sentidos, com fortes chuvas e possíveis tornados. Em Coconut Grove, os residentes reuniam provisões para atender as vítimas do arquipélago. Assim como outras 9,5 mil  pessoas na Flórida, Stefanie Passieux esperava a passagem do ciclone junto com seus dois filhos e sua mãe em um dos 121 abrigos, segundo dados da agência de gestão de emergências do estado. "Vim ontem assim que abriu. Dizem que estamos em estado de emergência, por isso vim", disse.

Em Port St. Lucie, uma área de baixa renda com estacionamentos de trailers agora vazios, Dan Peatle, de 78 anos, fugiu de sua comunidade para se abrigar em um hotel. "Passei por sete, ou oito (furacões), desde que cheguei à Flórida, em 1973. E são todos iguais, você sabe. Destrói tudo, depois tudo é consertado de novo, mas escolhi viver aqui, e posso muito bem viver com isso", afirmou.