Governador da Flórida revoga todas as medidas relacionadas à Covid-19

Governador da Flórida revoga todas as medidas relacionadas à Covid-19

Medida irá valer a partir de 1º de julho

AFP

publicidade

O governador da Flórida, Ron DeSantis, encerrou nesta segunda-feira (3) todas as medidas e restrições relacionadas à Covid-19 no estado americano, com efeito imediato, citando a eficácia das vacinas. DeSantis assinou uma lei que invalida as ordens de emergência locais - que impõem restrições devido à Covid-19 - a partir de 1º de julho, e também assinou uma ordem executiva que "cobre o período" até a data.

"É o que se deve fazer com base nas evidências", disse o governador republicano em entrevista coletiva em São Petersburgo, no oeste, referindo-se à redução de infecções e mortes graças ao avanço do processo de vacinação.

Cerca de 9 milhões de pessoas - de um total de 23 milhões de habitantes - injetaram pelo menos uma dose da vacina na Flórida, de acordo com o Departamento de Saúde dos Estados Unidos. "A esta altura, as pessoas que não foram vacinadas certamente não foi por falta de disponibilidade", acrescentou.

Veja Também

A vacina foi habilitada na última sexta-feira para todos os maiores de 16 anos sem a necessidade de comprovação de residência no estado, documento que era exigido desde janeiro devido à alta demanda inicial. Isso possibilitou a vacinação para pessoas em situação irregular, que tinham dificuldade em comprovar sua residência e do chamado turismo vacinal.

DeSantis criticou as rígidas medidas de segurança que ainda existem em outros estados do país. Ele disse que, a esta altura, aqueles que ainda precisam "vigiar" os habitantes, "estão afirmando que não acreditam em vacinas, não acreditam em dados, não acreditam em ciência".

As vacinas Pfizer, Moderna e Johnson & Johnson estão disponíveis, em muitos casos, em centros federais, estaduais e municipais, além de várias farmácias e supermercados com seções farmacêuticas. DeSantis acrescentou que nem o estado, nem os governos municipais e distritais podem fechar negócios por não cumprimento das medidas contra a pandemia.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895