Governo do Irã admite que abateu avião ucraniano acidentalmente

Governo do Irã admite que abateu avião ucraniano acidentalmente

Nota divulgada pelas Forças Armadas fala em "erro humano" no sistema de defesa

Correio do Povo

Incidente deixou 176 mortos

publicidade

O governo iraniano admitiu na madrugada deste sábado a responsabilidade por derrubar o avião da Ukraine International Airlines (UIA) na última quarta-feira, nas proximidades de Teerã. Em uma nota divulgada pela agência de notícias governamental Isna, as Forças Armadas afirmam que a aeronave foi abatida pelo sistema de defesa. "O avião foi acidentalmente atingido por um erro humano, que infelizmente resultou no martírio de queridos compatriotas e na morte de vários estrangeiros", lê-se no texto. Todos os 176 passageiros morreram.

As autoridades expressam suas condolências "às famílias enlutadas de estrangeiros e, se desculpando pelo erro humano, dá total garantia de que a busca de reformas fundamentais nos processos operacionais das Forças Armadas" continuará. O comunicado diz que o sistema de defesa operava no mais alto nível. "Nessas condições críticas, o voo partiu do Aeroporto Imam Khomeini e, em rotação, se aproximou de um centro militar sensível do IRGC, com a altura e a forma de uma aeronave hostil", explica o governo, que anteriormente havia negado que o Boeing fora derrubado por mísseis do país.

Horas antes, o Exército dos Guardiões da Revolução Islâmica (ICGR) havia realizado ataques a duas bases no Iraque que abrigavam soldados norte-americanos - e que as ameaças potenciais estavam no mais alto nível de prontidão. "Depois dos ataques com mísseis, os aviões de guerra das forças terroristas dos Estados Unidos em todo o país aumentaram, e alguns relatos de ataques aéreos contra centros estratégicos no país foram reportados a várias unidades de defesa e alvos em algumas placas de radar. Isso causou mais sensibilidade nas unidades de defesa aérea", diz a nota.

Presidente iraniano fala em erro imperdoável

Pelo Twitter, o presidente iraniano, Hassan Rouhani, escreveu que "a República Islâmica do Irã lamenta profundamente esse erro desastroso" e que seus "pensamentos e orações vão para todas as famílias de luto. Ofereço minhas mais sinceras condolências. "A investigação interna das Forças Armadas concluiu que, infelizmente, mísseis disparados devido a erro humano causaram o terrível acidente do avião ucraniano e a morte de 176 pessoas inocentes. As investigações continuam para identificar e processar essa grande tragédia e erro imperdoável. #PS752", disse.

 

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895