Governo Trump apela da decisão de tribunal de impedir proibição do TikTok nos EUA

Governo Trump apela da decisão de tribunal de impedir proibição do TikTok nos EUA

Casa Branca alega que rede social chinesa representa um risco para a segurança nacional

AFP

Casa Branca alega que rede social chinesa representa um risco para a segurança nacional

publicidade

O governo Trump apelou nesta segunda-feira de uma decisão do tribunal federal que permite que a empresa TikTok continue operando nos Estados Unidos, apesar da ação para bloquear o popular aplicativo de mídia social justificada por motivos de segurança nacional.

O Departamento de Justiça entrou com o recurso buscando impor a proibição do TikTok pelo presidente Donald Trump, que argumentou que a controladora chinesa do aplicativo pode usar o TikTok para espionagem e para espalhar desinformação. O pedido não incluiu argumentos para se fazer cumprir a proibição, que havia sido rejeitada no início deste mês pelo juiz distrital americano Carl Nichols e em um caso paralelo aberto na Pensilvânia.

Nichols afirmou que os advogados da TikTok demonstraram que o Departamento de Comércio provavelmente extrapolou sua autoridade ao tentar proibir o popular aplicativo de mídia social e "agiu de maneira arbitrária e caprichosa ao deixar de considerar alternativas óbvias".

A Casa Branca alega que o TikTok representa um risco para a segurança nacional devido aos potenciais vínculos com o governo de Pequim por meio de seu proprietário chinês, a ByteDance. A ordem de Trump afirmou que a ação era necessária para "proteger nossa segurança nacional" e alegou que os dados pessoais dos usuários do TikTok poderiam ser usados por Pequim.

A TikTok se defendeu repetidamente contra alegações de transferência de dados para o governo chinês, dizendo que armazena informações do usuário em servidores nos Estados Unidos e Cingapura. A TikTok tem outra luta em suas mãos por causa de uma ordem executiva de 14 de agosto, de Trump, para forçar a ByteDance a vender suas operações nos Estados Unidos para um comprador americano.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895