Irã acusa Arábia Saudita de "semear divisão" na região
capa

Irã acusa Arábia Saudita de "semear divisão" na região

Nessa semana, Meca recebeu encontro de países do golfo após ataques contra navios

Por
AFP

Iranianos foram as ruas em protesto contra regime sionista no dia Internacional de Jerusalém

publicidade

O ministério iraniano das Relações Exteriores acusou nesta sexta-feira a Arábia Saudita de "semear divisão no Oriente Médio e criticou as tentativas de mobilização do país rival contra a República Islâmica. Arábia Saudita "continua semeando divisão entre os países muçulmanos e e na região, o que é o desejo do regime sionista (Israel)", afirmou o porta-voz do ministério, Sayed Abas Musavi.

"Vemos nas tentativas da Arábia Saudita de mobilizar os países vizinhos e árabes contra o Irã um prolongamento das tentativas insignificantes dos Estados Unidos e do regime sionista", completou. Na quinta-feira, a Arábia Saudita recebeu uma reunião de países do Golfo e outra da Liga Árabe, na cidade sagrada de Meca, em um momento de tensão com o Irã, sobretudo após ataques contra navios petroleiros.

Nos dois encontros, o rei Salman da Arábia Saudita pronunciou discursos contra o Irã, país que acusou de sabotar quatro navios na costa dos Emirados Árabes Unidos em 12 de maio e por um ataque, dois dias depois, contra estações de bombeamento de petróleo na Arábia Saudita. No sábado acontecerá outra reunião, da Organização para a Cooperação Islâmica (OCI).

Em seu comunicado final, a reunião de cúpula árabe denunciou as "interferências" do Irã, seu apoio aos huthis no Iêmen - onde a Arábia Saudita atua militarmente desde 2015 para ajudar o governo local a enfrentar os rebeldes - e suas "ameaças" ao tráfego marítimo. O porta-voz iraniano negou "as acusações infundadas" contra Teerã. Antes das reuniões em Meca, o assessor americano de Segurança Nacional, John Bolton, afirmou que o Irã parecia estar por trás dos atos de sabotagem de 12 de maio. As acusações foram classificadas por Teerã de "ridículas".