Irã chama de "provocação" aos muçulmanos a publicação de caricaturas de Maomé

Irã chama de "provocação" aos muçulmanos a publicação de caricaturas de Maomé

País considera que republicação é um insulto aos valores islâmicos

AFP

No Paquistão, protesto foi realizado contra a republicação de charge

publicidade

O Irã condenou nesta sexta-feira a republicação das caricaturas de Maomé pelo semanário satírico francês Charlie Hebdo e denunciou uma "provocação e um insulto" aos muçulmanos. "O ato ofensivo da publicação francesa é uma provocação", afirma um comunicado divulgado pelo ministério iraniano das Relações Exteriores.

O Irã também considera a republicação um "insulto aos valores islâmicos e à fé de mais de um bilhão de muçulmanos no mundo", completa a nota oficial. Ofender ou fazer piada com o profeta pode ser punido com a pena de morte no Irã.

Na quarta-feira começou em Paris o julgamento pelos atentados jihadistas contra o Charlie Hebdo, um supermercado de alimentos kosher e vários policiais. Os ataques de janeiro de 2015 deixaram 17 mortos em três dias.

No dia do início do julgamento, Charlie Hebdo publicou novamente as caricaturas que transformaram a revista em alvo dos extremistas. O Irã condenou em janeiro de 2015 o atentado contra o semanário, mas afirmou na ocasião que os desenhos eram um "insulto" aos muçulmanos e um "abuso" da liberdade de expressão.

O Irã ocupa o 173º lugar (de um total de 180) na classificação mundial de liberdade de imprensa por países estabelecida anualmente pela ONG Repórteres Sem Fronteiras (RSF).


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895